terça-feira, 26 de abril de 2011

TALOS DE BAMBU - Rogério Camargo

Era um humilde cuidador de ovelhas,
belo menino que tocava flauta.
Rude instrumento, mas cuja centelha
inebriava a alma ainda incauta.

Horas passava, longas e parelhas,
sentado numa pedra, um argonauta
a viajar pelo que o som espelha
e poesia faz, mesmo sem pauta.

Alguns pequenos talos de bambu
atados fragilmente e mal soando,
faziam as delícias do menino.

O pastorzinho grego seminu
com olhos bem abertos e sonhando
imagens para além de seu destino.

ROGÉRIO CAMARGO
08.04.2011
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...