Seguidores

Translate

Site Protegido

Protected by Copyscape Plagiarism Scanner

domingo, 22 de maio de 2016

Rhapsody in Blue - Danny Marks



Mamãe, pode me perdoar?
Hoje, acho que, matei um homem
Olhei dentro dos olhos dele, tão fundo
Como pode ser tão profundo o olhar?
Quase não consigo voltar desse lugar, que me olhava
Então matei, acho que sim, pode me perdoar?
Homens são monstros, mamãe, eu sei
Eles me assustam tanto, tantas vezes
Eles se destroem e voltam, a se destruir
Eu tirei deles algo precioso, antes que morressem,
Tirei-lhes a esperança, mamãe. Pode me perdoar?

Deve haver um lugar em que se vive para sempre
E não há esperanças nesse lugar
Deve se chamar inferno um lugar 
onde se vive para sempre, sem esperanças
Quem poderia querer viver assim? Para sempre?
Homens, mamãe, querem viver no inferno.
Homens são cruéis sem esperança.
A humanidade está morrendo, mamãe, pode me perdoar?
Estão morrendo aos montes porque alguém lhes tirou a esperança
E o olhar ficou profundo e alcançou o monstro que olha do abismo
Eu não sei, mas acho que matei a humanidade, mamãe.
Acho que deixei escapar a esperança do homem,
quando me olhou. Pode me perdoar?

Um homem morreu, quem se importa?
Milhares de homens-criança morreram, quem se importa?
Mulheres-filhas morrem constantemente, quem vai ver isso?
O planeta todo, as plantas, os animais estão desaparecendo
Só do abismo vem o olhar. Quem há de se importar?

Está tão frio agora, mamãe. E o sol está queimando.
Estou com tanto medo, mamãe. Pode me perdoar?
Eu juro que tentei fazer diferente, 
mas não sei, acho que matei um homem.
Ele morreu nos meus braços, me abraçando.
Ele me deu a esperança dele, e não devolvi.
Será que alguém pode perdoar isso? Alguém se importa?

Não estou mais com medo, mamãe.
Aqui, veja, em meus braços enfraquecidos
Ainda há calor para deter o frio que me congela
Ainda há sombra para proteger do sol que queima minha febre
Ela está protegida no meu peito, a Esperança
Eu sei que ela vai me perdoar de ter partido
um coração.



sexta-feira, 13 de maio de 2016

Oficina “Palavras Literárias” – Danny Marks


Este texto é baseado nas palestras que ofereci na UNIBR-SV, nos dias 09 e 10 de maio de 2016. Agradeço à Instituição a oportunidade e aos assistentes pelo prazer do encontro. Divido com os meus leitores alguns conceitos básicos da leitura e escrita que podem contribuir para uma melhor compreensão do fazer literário, entre outros. Não há a intenção de aprofundar demasiadamente qualquer conceito apresentado, apenas apresentar alguns elementos básicos e caminhos possíveis para que qualquer pessoa possa melhorar sua qualidade de leitura e produção textual, indicando caminhos possíveis para esse aprofundamento. Ler e Escrever são atividades importantes na sociedade letrada, mas nem por isso necessitam ser desagradáveis, ao contrário, podem ser atividades fontes de prazer, de lazer e aprimoramento.

QUEM LÊ MAIS, ESCREVE MELHOR.

          A frase acima é um dito popular muito utilizado, principalmente no mundo acadêmico, mas normalmente acaba induzindo ao erro por estabelecer uma relação direta entre o ato de ler e o ato de escrever, quando na verdade trata-se de uma relação indireta. O ato de ler pressupõe a capacidade de interpretar uma mensagem inserida em algum código coerente, já o ato de escrever pressupõe uma vontade de comunicar algo de forma coerente, dentro de um padrão letrado.
          O correto seria dizer que quem lê mais se torna um leitor melhor. Claro que um bom escritor necessita de ser um bom leitor para exercer o seu ofício, mas o fato de ser um leitor não significa necessariamente uma relação causal com ser um bom escritor. Portanto o erro está em se tentar unir dois conceitos que tem uma relação indireta (quem lê, o faz sobre algo que foi codificado sobre o padrão letrado; quem escreve, pressupõe que há pessoas habilitadas pelo padrão letrado que o compreendam, mesmo que não esteja presente). O risco é de que se crie uma aversão à leitura e à escrita, porque, apesar de ler muito, a pessoa não consegue "escrever" como gostaria; além do fato de que muitos que escrevem já se consideram excelentes leitores, apenas porque escrevem, e isso não é um fato. A leitura e a escrita necessitam de técnicas para que sejam desenvolvidas em um nível mais aprofundado, embora, na sua superfície, podem ser efetuadas de maneira simples.
          Na mesma linha de engano induzido está outra frase que diz que “Um escritor já nasce pronto”. Essa talvez seja mais perigosa ainda porque apresenta diversas incorreções.
          O talento para a escrita auxilia no processo de se tornar um escritor, mas nem todo escritor necessita ser talentoso. Aprende-se a escrever na infância, aproveitando a plasticidade do cérebro nessa idade, através de técnicas, porque a nossa sociedade é letrada e, portanto, se torna cada vez mais uma necessidade para sobrevivência.
Escrever, no caso, assemelha-se a habilidade de cantar, todos podem aprender a cantar, mas nem todos se tornarão Cantores, embora sempre possam fazer uso dessa habilidade de outras formas.
O problema está no fato do “endeusamento” da escrita, criando uma tensão nos necessários escritores de uma sociedade letrada, que não se consideram com talento suficiente para o fazer e, muitas vezes, acabam por abominar qualquer ato que tenha relação “direta” com a sua “inabilidade”, como a leitura.
          É fato consagrado que quanto mais uma pessoa escreve e se dedica a aprender técnicas de escrita, mais facilmente ela consegue produzir textos. Da mesma forma que um cantor necessita exercitar a voz através de exercícios de canto, um escritor necessita exercitar a sua “voz” interna através da escrita constante. Quanto mais se escreve, melhor se escreve, embora nem tudo que se escreva tenha que ser de teor significativo, serve apenas como um exercício.
          Um escritor profissional necessita, da mesma forma que outras pessoas, aprender técnicas específicas que lhe auxiliam na sua arte, é um trabalho longo e contínuo como em qualquer outra área do conhecimento humano, ainda que haja um talento prévio a ser desenvolvido. Aprender a ler melhor auxilia na construção de um vocabulário maior, na apreensão de técnicas textuais, na ampliação da percepção de ritmo e planificação do texto, na compreensão da coesão e da coerência. Ler, portanto, é uma necessidade de uma sociedade letrada, não apenas para escritores profissionais, mas para todos os tipos de escritores que uma sociedade letrada demanda.
          Mesmo um cantor necessita aprender a ler melhor, necessita aprender a escrever melhor, os conhecimentos humanos são interconectados e os talentos individuais apenas fazem com que indivíduos se destaquem a partir do aprimoramento do seu talento, através do aprendizado de técnicas específicas.
          O talento inato, que já nasce com o indivíduo, seja qual for (e segundo algumas correntes do conhecimento, todos nós temos vários talentos inatos) ajuda no sentido de que conseguimos encarar as dificuldades comuns a todos, de forma mais fácil. Portanto o chamado “talento” seria mais uma “afinidade” que nos auxilia a superar as dificuldades de aprender a técnica, nos ajuda a não desistir diante do que, a princípio, parece impossível, nos auxilia a sentir prazer em cada vitória e nos estimula a ir cada vez mais longe e aprender sempre mais.
          Outro ditado popular que tem a ver com isso é “aquilo que se faz com amor, faz-se melhor”. Claro que sim, quando nos sentimos envolvidos no que fazemos, nos sentimos mais fortes, mas isso não significa que as coisas ficam mais fáceis apenas por isso, outrossim, nos sentimos dispostos a enfrentar por mais tempo as dificuldades e a investir mais, e isso sim, é uma receita que pode dar certo. Ou não.

ABSORVER O MUNDO PARA DESCREVE-LO MELHOR.

          Ninguém pode dar o que não possui, isso é uma lógica básica. Na escrita também é assim. Para que se possa criar textos é necessário absorver textos em quantidades imensas, elabora-los e, então, produzir novos textos. Isso quer dizer que, necessitamos introjetar o conhecimento, traze-lo para dentro. A leitura de mundo é a ferramenta mais básica para poder escrever acerca do mundo e do conhecimento. É o que fazemos constantemente, ao acordar para o dia e observar as condições do ambiente, ao viver as nossas vidas, ao nos comunicarmos com o Outro, ao buscarmos outras visões que possam nos acrescentar conhecimentos que não possuíamos e rever os que já existiam.
          Essa habilidade de “ler” o mundo, em maior ou menor grau é uma característica evolutiva do ser humano. Desenvolvemos nossa sociedade apoiados em conhecimentos ancestrais que são passados para as próximas gerações e determinam ainda mais as características destas gerações se desenvolverem. Já nascemos com a capacidade de ampliar os mínimos conhecimentos necessários para sobreviver e, salvo se houver algum problema congênito ou de percurso, é isso que fazemos ao longo da vida. A mãe sabe quando o choro da criança é de fome, de sono, de incomodo ou apenas para chamar a atenção. A criança já sabe quando os pais estão nervosos, ou quando estão amorosos. Isso é uma leitura de mundo pré-tipográfica e se ampliará ao longo do desenvolvimento.
          E como desenvolver as melhores técnicas para escrita se não possuímos talento inato? Da mesma forma que aprendemos a produzir os signos gráficos de nossa linguagem. Aprendemos as letras desenhando as letras, copiando e imprimindo o nosso traçado próprio. Aprendemos a identificar imagens com os seus respectivos signos estabelecendo uma correlação entre ambos. A palavra Casa pode ser representada por um desenho de uma casa e vice e versa.
          Essa técnica é chamada de Reescrita, quando nos apropriamos de algo que já existe e revisamos com a nossa característica, não estamos desenvolvendo algo inédito, apenas adaptando algo existente a nossa necessidade. No mundo acadêmico essa vertente é muito utilizada em citações indiretas, aquelas em que retransmitimos com nossas palavras os conceitos que foram desenvolvidos por outra pessoa que já  possui uma credibilidade pelo seu trabalho. Mas pode-se ir além na arte, podemos construir algo novo a partir de uma visão especifica de algo que já existia. Shakespeare se baseou no teatro grego para criar Romeu e Julieta, muitos outros autores modernos se basearam em Shakespeare para criar obras que vão de “Malhação” até “Jogos Vorazes”. Nas universidades americanas que ensinam a arte de escrever essa técnica é amplamente utilizada, por isso podemos ver obras como Código da Vinci de Dan Brown que tem a mesma estrutura central de Romeu e Julieta, por exemplo.

O UNIVERSO ABOMINA O VÁCUO

          Essa é uma lei da física, mas também é válida para a psicologia. O cérebro humano se desenvolveu para identificar padrões, ainda que estes não existam de fato, nesse caso a mente humana utiliza-se de artifícios para preencher as lacunas e “criar” um padrão. Essa é a base da Gestalt, uma teoria psicológica muito interessante que não vamos poder aprofundar aqui, mas que vale a pena ser estudada.
          Pela Gestalt podemos “enganar” o cérebro através de padrões, podemos criar conexões que não existem de fato, podemos fazer junções para criar algo novo ou desmembrar figuras em suas partes e reconstruir um novo quadro.
          Essa habilidade de reconhecer padrões a partir de um conjunto de memórias e estabelecer pré-julgamentos, permitiu que o ser humano sobrevivesse em uma época em que o ambiente era hostil e não havia muito tempo para analisar se algum vulto era um predador, um amigo, ou apenas uma sombra qualquer. A mesma habilidade ainda é importante para a nossa sociedade porque permite, entre outras coisas, a construção das extrapolações, está na base do pensamento projetivo que vem a ser aquele modelo mental que consegue, a partir de dados iniciais, projetar mentalmente como se darão eventos futuros.
          Por outro lado, a mesma “ferramenta” mental pode induzir ao erro, “colar” um padrão incorreto que depois acaba criando uma tendência de fixação e indução ao erro. É o que acontece, por exemplo, quando escrevemos um texto e, por mais que o revisemos, não conseguimos “ver” os erros que estão presentes, simplesmente porque ainda temos o “modelo” que o produziu “colado” na mente. Por isso é importante em toda produção textual que haja um processo de “distanciamento”. Normalmente um autor guarda o seu texto e espera até haver “esquecido” dele para poder fazer a revisão, porém esse método não é completamente eficiente porque podemos resgatar com facilidade memórias recentes. Então, um outro método é enviar para um leitor habilitado para que este aponte as incorreções e falhas de forma que possam ficar evidenciadas.
          Dizendo dessa forma, parece complexo todo o processo, mas através de imagens fica mais fácil entender o raciocínio
                   

A figura 1 apresenta um rosto feminino facilmente reconhecido, porém, pode-se perceber pela figura 2 e 3 que há na mesma imagem um outro padrão oculto, que quando realçado, apresenta-se como outra figura.
Duas coisas podem ser percebidas a partir destas imagens. A “textura” (a forma como se cria um padrão de fundo) altera a percepção do que é visto, porque modifica-se a informação que o nosso cérebro recebe. Também fica evidente que, quando fixamos a primeira imagem, ela se torna “residual e mesmo quando alteramos o foco para a segunda imagem, a primeira ainda nos parece presente. Se a sequência fosse invertida, o efeito seria o mesmo. Isso indica que a primeira percepção é sempre mais intensa e duradoura, e modela as percepções futuras, ainda que se limite o foco informativo.
Isso fica evidente na sequência de imagens que apresento a seguir, na “transformação” de um rosto masculino em um corpo feminino e vice e versa, basta inverter a ordem.


O contexto onde o padrão é inserido também altera a percepção do padrão, como pode ser percebido nestas imagens em que se destaca o padrão e depois o coloco em contextos diferentes. Assim a figura que nos lembra um pão de forma se transforma em uma caixa de correios.



          Esse destaque nos permite perceber, por exemplo, o motivo de uma palavra ou frase deslocada do seu contexto original assumir outro sentido diferente quando inserida em um novo contexto que se diferencia de onde foi deslocada. Daí a importância de, ao usar partes de um discurso, cuidar para que as mesmas sejam inseridas em discursos que contenham elementos semelhantes, para não descaracterizar completamente a intenção original e induzir ao erro interpretativo. Também explica, basicamente, porque muitas vezes há falhas comunicativas ao se transmitir mensagens que não provoquem a contextualização da informação.
          O contexto também pode interferir diretamente na percepção do padrão utilizado, ainda que este se mantenha constante, como pode ser verificado nas figuras a seguir. Observe que as esferas centrais da figura 1 parecem ser de diferentes tamanhos, mas quando traçamos uma linha reta sobre elas, desmontamos a ilusão criada pelo contexto e passamos a percepção de que na verdade são ambas do mesmo tamanho. Apesar disso, é possível que nossa racionalidade entre em conflito com a informação recebida pela visão e tenhamos dificuldade para aceitar imediatamente que ambas esferas centrais são iguais, apesar do fato comprovado.



          Fica mais complexa a interpretação e a alteração do foco quando trabalhamos com composições e sobreposições.
                     


          Na primeira imagem pode-se perceber de imediato um homem de sombreiro em cima de um cavalo, uma pessoa deitada no chão coberta por um pano, e um rio ao fundo. Mas as figuras acabam compondo a imagem de um homem idoso, de cabelos, bigodes e barba brancos, que muitas vezes nos escapa ao olhar porque os elementos principais se destacam.
          Na segunda figura o foco é mais disperso e equilibrado, então é possivel que o primeiro foco se dê sobre a moça que olha por cima do ombro, vestida com um casaco de pele e um lenço branco. Ou pode ser que o nosso foco inicial seja o de uma senhora idosa, e percebe-se que o “colar” da moça, é na verdade a “boca” da idosa.
          A terceira imagem é mais marcante ainda, também nela podemos focar em primeiro lugar uma pessoa curvada agarrando os cabelos em uma situação que nos parece de desespero, ou nosso foco inicial pode ser a “caveira” deformada que se forma com os contornos do corpo e das sombras produzidas por este. Em ambos os casos, há um “discurso” que remete a uma situação de desespero e medo. A intencionalidade dessa imagem fica clara pelos elementos destacados e se harmoniza com a informação externa de que a série “Penny Dreadful” trabalha com o lado sombrio da literatura fantástica.


          Por fim, uma composição criativa em cima da frase de Neil Armstrong, em que ele relata uma situação vivenciada em sua viagem à Lua. Escolhi essa pequena sequência de imagem aliada a discurso para demonstrar como o contexto é importante.
          Em uma análise simples do discurso oferecido, percebemos uma dicotomia: “Não me senti um gigante” (capaz de, com apenas o dedão, anular completamente a Terra), “Na Verdade me senti muito, muito pequeno”.
          Se utilizarmos o viés de análise com base no foco informativo e na alteração do padrão diante do contexto, como foi demonstrado anteriormente, podemos perceber racionalmente a emoção do astronauta na situação por ele criada.
          Se o foco contextual for ele em relação a Terra, cuja imagem residual na sua mente é a de um planeta imenso, o fato dele poder encobrir toda a superfície desta com apenas o dedão, torna-o gigantesco.
          Porém, ao fazer esse gesto, o que ficou destacado para o astronauta foi justamente a imensidão do universo. A referência de “grandeza” da Terra, sumiu por alguns momentos de sua mente e ficou apenas o imenso céu cheio de estrelas, sem nenhuma humanidade além do próprio astronauta.
          Pode-se perceber imediatamente o sentimento de solidão diante daquela “noite” imensa, e como isso fez com que o astronauta se sentisse infinitamente pequeno, apenas pela percepção alterada do foco e do contexto.
          Com isso, encerramos esta breve exposição, na esperança de que tenha ficado claro a importância da leitura de mundo, da mudança de perspectiva ao se analisar fatos comprováveis, e as possibilidades e dificuldades ao se trabalhar padrões em contextos diversos.
          Espero que tenha ficado claro que, ler e escrever são atividades distintas e complementares, mas que ambas podem ser exercidas de forma simples e nos auxiliarem a Ler o Mundo de outras formas e Escrever nossa história com um Final Feliz.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Mim Tarzan, Darwin - Danny Marks


Quando era garoto achava estranho que chamassem Tarzan de "O Rei das Selvas". Ele matava leões (que seriam naturalmente os "reis da selva"), matava jacarés, andava com macacos nas árvores e dominava cobras gigantescas.
Mas se não fosse Tarzan, jamais entenderia o que é um "efeito manada", com o discurso (grito, no caso) certo, ele mobilizava uma tropa de choque que esmagava qualquer argumentação contrária, literalmente. Depois era só subir nas costas do primeiro elefante (branco) e correr para o abraço, dos macacos.

Ninguém melhor que Darwin para explicar as leis das selvas ou Tarzan, para ilustra-las adequadamente.

sábado, 30 de abril de 2016

SOBRE A EDIÇÃO DE Nº 11 DA REVISTA CONEXÃO LITERATURA - Ademir Pascale



Já está disponível a edição de nº 11 (maio) da Revista CONEXÃO LITERATURA. Não poderíamos deixar de homenagear o escritor Stephen King em uma de nossas edições. Autor que incentivou tantos outros autores para o mundo da escrita e que já vendeu mais de 350 milhões de livros em
40 países. Garanto que nas páginas da revista o leitor encontrará muitas informações sobre ele, dicas e curiosidades, incluindo uma entrevista especial com Edilton Nunes, que é um dos seus maiores fãs aqui no Brasil
;)
Como sempre, trazemos entrevistas com escritores, crônicas, resenhas e contos. Na coluna “Conexão Nerd”, entrevistamos Leandro Liporage, artista que vem fazendo sucesso na criação de miniaturas de músicos, escritores, personagens de games, etc. Resenha do livro Onde Cantam Os Pássaros (DarkSide Books), da autora Evie Wyld e resenha do livro Sobre a Escrita, de Stephen King, além de uma crônica intitulada Quando King Criou Carrie.
Nossas edições são mensais, mas o leitor pode estar diariamente conosco, basta seguir as nossas redes sociais ou mesmo acessar o nosso site:
Twitter: @ademirpascale. Facebook: @revistaconexaoliteratura. Instagram:
@revistaconexaoliteratura. Site: www.revistaconexaoliteratura.com.br.

Para parcerias (Lojas Geeks, blogs, sites, editoras, etc), patrocínios ou dúvidas de como participar de uma de nossas edições, seja com entrevista, conto ou anúncio, escreva para: pascale@cranik.com ou

Tenham uma ótima leitura e até a próxima edição que também será incrível.

Para baixar a edição de nº 11, acesse:
http://www.revistaconexaoliteratura.com.br/p/edicoes.html ou clique sobre a capa da revista na lateral do site.

Fico à disposição.

Forte abraço!

Ademir Pascale
Editor
Twitter: @ademirpascale
Facebook: @revistaconexaoliteratura
Instagram: @revistaconexaoliteratura

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...