segunda-feira, 18 de abril de 2011

CÉU NO CHÃO - Rogério Camargo

O que a brutalidade desconhece
de si de quem mais lhe seja igual
é que de cada vez que ela acontece
é o bem que ela procura com o mal.

É desespero que jamais esquece
o quanto está distante do ideal
e nunca a dor ali desaparece:
é imortalidade no mortal.


A busca da beleza com ganância,
sofreguidão grosseira, predatória,
não é sozinha na destruição.

Junto com ela chora a substância
do que, talvez perdido na memória,
mostra que não existe céu no chão.

ROGÉRIO CAMARGO
16.04.2011
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...