quarta-feira, 27 de julho de 2011

Noturnal - Dalva Abrahão



Quando ave
deixa-me noturna.
Melodia, ouça-me serenata.
Quando luz clarão de lua
beije o céu...
O céu da minha boca.

Quando vento
sinta leve açoite.
Quanto à flor
sou dama da noite.
Se farol
acenda o mar e a estrada.
Para seres meu sereno
meu moreno...
Quando madrugada.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...