quinta-feira, 17 de março de 2011

FALSO ALEXANDRINO II - Rogério Camargo

Digo de mim o tempo todo e poderia
dizer de ti se me deixasses conhecer-te.
Não é possível ser profundo com um flerte
que passa rápido e fugaz na fantasia.

Há muita cor mesmo na sombra em qualquer dia.
Fechando os olhos, como podes aprender-te?
E com ouvidos assustados, eu dizer-te
é quase igual a não dizer: sem garantias.


Não vem de fora o que é de dentro e permanece
ditando regras mesmo após conhecimento
que, menos mal, revoluciona quase tudo.

Preso na forma o apegado não se esquece,
vive de si, de ser a fome e o alimento.
Falar-lhe, então, é a mesma coisa que ser mudo.

ROGÉRIO CAMARGO
17.03.2011
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...