terça-feira, 29 de março de 2011

Dinah Perry - musical Divas em Mongaguá, dia 9/4


Espetáculo, que fez temporada de sucesso no Teatro Augusta, em São Paulo, homenageia as estrelas Marilyn Monroe, Liza Minelli, Cyd Charisse, Leslie Caron e Ginger Rogers.

O mágico e eterno encantamento provocado pelas estrelas do cinema foi o quê inspirou Dinah Perry a montar Divas, espetáculo de teatro musical que será apresentado dia 9 de abril, sábado, no Centro Cultural Raul Cortez, às 21h.


Dinah assina concepção e direção da montagem que mescla textos originais de Renato Possidônio, coreografias criadas e interpretadas pela própria atriz e bailarina e direção musical do maestro Edmundo Villani-Côrtes. O espetáculo conta ainda com participação de quatro bailarinos/atores que contracenam e dançam com Dina Perry: Felipe Rodrigues, Lurian Reis, Renato Possidônio e William Mazzar.


Divas é uma montagem que tem como referência o glamour das estrelas dos anos 30, 40 e 50 do século XX, que marcaram época pelo talento, versatilidade e charme. Dinah faz uma releitura desses “anos dourados” dos musicais de Hollywood, simbolizados pelas divas Marilyn Monroe, Liza Minelli, Cyd Charisse, Leslie Caron e Ginger Rogers, mulheres que usaram o corpo como uma forma de expressão.


As cenas e coreografias são inspiradas nas fitas originais do cinema e nas características que imortalizaram as estrelas homenageadas. As referências são explicitas em Divas, mas o espetáculo é uma adaptação das películas originais, feita por Dinah Perry. Inclusive a trilha sonora segue a mesma linha: são temas originais, criados por Villani-Côrtes, que trazem apenas referências das trilhas dos filmes. O cenário reconstitui um cabaré, proporcionando o clima apropriado à encenação intimista e densa. A música ao vivo, executada pela pianista Deise Trebitz, é outro artifício usado pela atriz e bailarina para promover interação entre as cenas e maior intimidade entre espetáculo e espectador.


As personagens vividas por Dinah são instrumentos para elucidar e explorar o universo feminino mergulhando em temas como paixão, sensualidade, melancolia e amor, traduzidos em diferentes situações vividas pelas “divas”. Ela quer mostrar de forma poética a força da mulher; uma mulher que deixa sua marca na história da sociedade por meio do comportamento e das posturas sociais e artísticas.


O espetáculo une teatro e dança com a linguagem artística particular de Dinah Perry. Ela selecionou algumas cenas marcantes de musicais, estrelados pelas atrizes em questão, e as traduziu para o palco explorando os simbolismos das expressões femininas universais, contrapondo a realidade e o sonho, características antagônicas comuns ao universo da mulher. A realidade aparece nos textos autorais lúdicos, abrindo cada cena teatral; já o sonho da mulher se revela em forma de idealismo e fantasia, quando Dinah incorpora Merilyn, Liza, Cyd, Leslie ou Ginger e o corpo dançante se revela como expressão máxima da alma feminina.


Ficha técnica

Musical: Divas

Concepção, direção e coreografia: Dinah Perry

Elenco: Dinah Perry e bailarinos/atores (Felipe Rodrigues, Lurian Reis, Renato Possidônio e William Mazzar).

Textos: Renato Possidônio

Música (composição e adaptação): Edmundo Villani-Côrtes

Piano: Deise Trebitz

Preparação vocal: Efigênia Côrtes

Preparação corporal: Fernando Machado

Ficha técnica

Única Apresentação: Dia 9 de abril – sábado, às 21 horas

Local: Teatro Ronaldo Ciambroni (C.C.Raul Cortez)- www.mongagua.sp.gov.br

Av. São Paulo, 3465 – Vera Cruz – Mongaguá/SP – Tel: (13) 3507-5477

Ingresso: R$ 30,00 (meia: R$ 15,00) - Bilheteria: a partir das 14h no dia da apresentação – Não aceita cheque nem cartões - Duração – 60 minutos – Gênero: Teatro musical

Classificação etária: 12 anos – Capacidade: 320 lugares - Ar condicionado.


As Divas


Cyd Charisse - atriz e dançarina americana, nascida em 8 de março de 1922 - Ficou famosa em Hollywood como partner de Gene Kelly e Fred Astaire. Charisse chamou atenção em 1943 ao lado de Don Ameche em Something to Shout About e contracenou com Astaire em Ziegfeld Follies, em 1946. A consagração veio em 1952 com Cantando na Chuva. Ela também atuou em A Lenda dos Beijos Perdidos e Para Sempre Em Meu Coração. Na sua biografia (Steps in Time) Fred Astaire a definiu como Uma dinamite formosa. Depois do declínio dos musicais, Cyd interpretou vários papéis no cinema e na televisão entre 1960 e 1990. Foi casada, com o cantor Tony Martin, por quatro décadas, até sua morte em 17 de junho de 2008, aos 86 anos.


Ginger Rogers foi uma premiada atriz, dançarina e cantora, tanto do cinema como do teatro dos Estados Unidos. Sua mãe foi grande incentivadora de sua carreira, que começou aos 15 anos em vaudevilles. Aos 19, estreou em Hollywood no filme Inconstância, produzido pela Paramount. Conheceu Fred Astaire na década de 1930 e com ele fez 10 filmes musicais, tornando-se uma das suas mais célebres parceiras. Em 1941, ela recebeu um Oscar de melhor atriz pelo papel dramático em Kitty Foyle. Trabalhou em Hollywood até 1971, casou-se cinco vezes e fez quase 100 filmes entre musicais, comédias e dramas. Ginger Rogers faleceu em 25 de abril de 1995, de insuficiência cardíaca congestiva, aos 83 anos.

Liza Minnelli é cantora e atriz norte-americana, nascida em 12 de março de 1946, Los Angeles, Califórnia. Seu primeiro filme foi aos 14 anos. Dois sucessos internacionais deram grande fama à Liza nos anos 70: o papel de Sally Bowles no filme musical Cabaret, de 1971, pelo qual ganhou um Oscar, e o hino à “cidade que nunca dorme”, New York, New York, tema principal do filme homônimo de Martin Scorsese (1977). Esta canção foi, desde então, interpretada por numerosos artistas, entre eles Frank Sinatra, com quem Liza iniciou, em 1991, uma série de concertos na Europa. A estrela que como menina prodígio atuou com a mãe, Judy Garland, e, como narradora do filme Isto é o Espetáculo, em 1974, com Fred Astaire e Gene Kelly. Recebeu Globos de Ouro em 1980 e 1985. No final dos anos 90 estrelou um espetáculo na Broadway, Minnelli on Minnelli e, em 2006, gravou a canção Mama em parceria com a banda My Chemical Romance.


Leslie Caron nasceu na França em 1º de julho de 1931 e tornou-se uma atriz reconhecida atuando em musicais da década de 1950. Iniciou a carreira como bailarina, mas logo foi descoberta por Gene Kelly, com quem atuou no musical An American in Paris, vencedor do Oscar de melhor filme de 1951. O sucesso do filme lhe rendeu contrato com a MGM e logo estrelou no The Story of Three Loves e foi indicada ao Oscar de melhor atriz pela atuação no musical Lili. Depois atuou ao lado de Fred Astaire (Daddy Long Legs) e protagonizou Gigi (Oscar de melhor filme). Outros destaques na sua carreira são Fanny, The L-Shaped Room, Father Goose com Cary Grant, Is Paris Burning e La Diagonale Du Fou. Sua última aparição no cinema foi em Le Divorce, em 2003.


Marilyn Monroe é uma das mais famosas estrelas de cinema de todos os tempos. Seu nome representa muito mais que uma diva da sétima arte e rainha do glamour. Para muitos ela é um ícone, sinônimo de beleza e de sensualidade. Marilyn Monroe personificou o glamour de Hollywood com incomparável brilho e energia que encantam o mundo até hoje e continua sendo um ícone mundial de popularidade do Século XX. Marilyn atuou em 30 filmes e deixou por terminar Something’s Got To Give. Torrentes de Paixão foi o filme que a consagrou, em 1953, mas o que a tornou inesquecível foi O Pecado Mora ao Lado de 1955, dirigido por Billy Wilder. Quem não conhece a cena em que seu vestido branco é levantado na pelo jato do respiradouro do metrô? Marilyn nasceu em 1º de junho de 1926 e faleceu em 5 de agosto de 1962.


Dinah Perry


Com formação clássica, teve um papel importante no contexto da dança dos anos 80 ao lado da Cia. de Dança Jazz Company, na qual assinou direção, além de contribuir ativamente com a formação do panorama atual da dança e teatro-dança no Brasil. Formada pela Escola Municipal do Teatro Municipal de São Paulo, trabalhou com grandes nomes do jazz da dança de Nova York como Lene Dalle, Fred Beijamin, Jojo Smith e Redha Beintejour, entre outros. Dirigiu e coreografou inúmeros musicais e eventos no Brasil e Exterior, entre os quais destaque para O Mágico de OZ, ganhador do Prêmio APETESP de Melhor Coreografia.


No campo da dança contemporânea, Dinah já trabalhou com Sandro Borelli, Zetta, Ivonice Satie, Anselmo Zolla, Henrique Rodovalho, Denise Namura e Michel Bugdan, Armando Duarte (radicado nos E.U.A.), Mário Nascimento, Luis Arrieta, Jorge Garcia e Sérgio Rocha. Em teatro, com grandes diretores como Jorge Fernando, Paulo Goulart, Wolf Maia, Abelardo Figueiredo, Bárbara Bruno e José Capraroli. Possui também ampla vivência em circo ao lado do Circo Escola Picadeiro, Oz e Denise Lopes. Ela foi primeira bailarina e coreógrafa da tradicional casa de espetáculos Palladium, além de estagiar na Alemanha (Berlim), na Companhia Friedrichstadst – Palast.


Como coreógrafa e bailarina, Dinah Perry trabalhou nas seguintes montagens: São Paulo Night and Day (com Wilma Dias, Agnaldo Rayol, Pery Ribeiro e Maria Della Costa); Em Dia Com a Noite (com Elizete Cardoso); Sampa Rio Samba (com Mielle e Rose Meyre); Fantópera da Asma (com Lucinha Lins e Cláudio Tovar); Burlesque (com Dercy Gonçalves); Spot Light (com Lucinha Lins e Mielle); Meu Brasil Brasileiro (com Vilma Dias, Osaka/Japão), Meu Refrão Olê Ola (com Tony Ramos), Dercy e Peri Ribeiro; Broadway 125 e Dança dos Corpos (de Cláudio Maksoud); Oh! Calcutá; O Show Não Pode Parar; Jazz Company in Concert; Muito Especial; Brazilian In Concert (Osaka/Japão); musicais Vanessa Rangel, Zezé de Camargo e Luciano (direção Wolf Maia) e Criança Esperança (direção Jorge Fernando).


Dançou nas companhias FAR 15 (de Sandro Borelli), Pults (de Marcelo Bucoff e Jorge Garcia) e Cia. de Dança de Diadema (de Ivonice Satie). Atualmente, Dinah desenvolve o projeto de pesquisa Teatralização do Movimento, ligada à dança, teatro e circo, que insere uma visão teatral na estrutura e conceito da dança, buscando novas formas de pensar e fazer a dança contemporânea. Trabalhos desenvolvidos dentro do processo desta pesquisa: O Mágico de Oz, dir. José Caprarole (intérprete, coreógrafa e criação corporal); Cinderela, de José Wilker (intérprete, coreógrafa e criação corporal); Look, Book, Hip, House, direção Bárbara Bruno (intérprete, coreógrafa e criação corporal); O Amor Venceu, direção Bárbara Bruno (criação corporal); Vertigem, da 7 Cia de Dança (intérprete, direção e coreografia); O Cavalo na Montanha (criação corporal e coreografia); Manifesto de Uma Pessoa Feliz”, (criação corporal e coreografia); X Y, A Verdadeira Diferença Entre os Sexos (criação, direção, interpretação e coreografia); Retiro dos Anjos (concepção, direção, criação corporal e coreografia).


Atualmente desenvolve seu trabalho de pesquisa de linguagem com a companhia Artista do Corpo, na qual assina concepção e preparação corporal de O Cavalo na Montanha; concepção e coreografia de XY A Verdadeira Diferença Entre os Sexos (+ direção), Fração de Segundo (+ direção), Sonhos de Uma Noite de Verão (+ direção), A Noite do meu Bem, Por um Triz, Ir, Pra Onde Ir?, Mulheres Alteradas (+ direção), Por Enquanto.... (+ direção), Solo, Duo e Trio (+ direção) e Pensando Sobre... (+ direção).


Assessoria de imprensa: ELIANE VERBENA

Tel (11) 3079-4915 / 9373-0181- eliane@verbena.com.br

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...