quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Tam - Bor _ Danny Marks



A mão bate forte.
A mão fraca sobre o couro que vibra no tapa, soco, chicote de dedos.
A mão fraca na batida produz som, reverbera nas paredes o grito. Som do tapa, grito do soco no couro.
Reverbera o gemido e a dor.
Couro.
Apanha e soa.
Musica, grito, lamento.
Artes mágicas que na percursão falam e riem. Criam.
No ritmo, educado, do tapa, soco, chicote de mãos, a dor se esvai e sai do couro encantamento que chama. Deuses antigos, primitivos, que conhecem a dor e o riso, instinto.
Vivem no delírio e no ritmo alucinado, alucinógeno. Reproduzem sexualidade, sexual mente, motivados, social mente, conectados.
Mente.
O primitivo e o moderno em ponte que atravessa rio, parede, carne, couro.
Vibrante responde.
E a dor não é mais dor.
E o grito não é mais grito.
E o distante não é mais importante.
Ritmo de amantes.
E se juntam, se falam sem palavras. De couro contra couro.
A mão agora é forte de novo.
A mão forte acaricia o couro que vibra em gemido de riso e se faz tambor.

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...