segunda-feira, 8 de agosto de 2011

À Noite todos os Gatos são Pardos - Danny Marks


Foto de Dirceu Garcia Junior (http://objetivaesubjetiva.blogspot.com/)
Texto: Danny Marks

À noite todos os gatos são pardos, os sonhos são fartos e o futuro é uma certeza de um amanhecer melhor. Esse era o lema do Pitoca que adorava falar essas coisas para mim e para o Chumbinho.
            O Pitoca era o mais malandro de nós três, embora fosse o mais franzino e o mais novo. Tinha nascido com essa ginga natural dos esquecidos pelo mundo, um sobrevivente quase que inato. O Chumbinho era o oposto, fechado, carrancudo, arrogante, queria ser sempre o chefe de tudo, da turma, do jogo, da vida. E no meio dos dois, eu, o Caveira. Não que eu fosse magro como o Pitoca, ou assustador como o Chumbinho. Apenas gostava de coisas mórbidas, me fascinava o escuro do cair da noite no alto do morro, os urubus sobrevoando alguma carniça jogada no barranco, as vezes um cachorro morto, as vezes o dono. A morte faz parte da vida, para alguns é um meio de vida.
            Molecada onde me criei é tudo assim, nasce com o sol e dorme com as estrelas. Iluminação é do céu, as outras é para quem pode pagar e nas sombras as coisas acontecem sem que ninguém dê conta. Caminhos tortos e tortuosos que vão nos levando, nos afastando.
            Pitoca sonhava ser jogador de futebol, ficar rico, ajudar os pais e a comunidade, jogar capoeira com a meninada e se tornar um grande astro do cinema. Chumbinho só queria se dar bem. Vivia falando das mulheres e dos carrões que teria, uma mansão, um iate igual os que se via na barra, usar terno e gravata, sapato de couro e corrente de ouro.
            Eu só sonhava em sair dali, fugir daquela vida, fugir de tudo. Foi para isso que desci o morro, tentar a vida. Coisa difícil quando se tem pouco estudo e menos oportunidades. Fui batendo cabeça aqui e ali, me fazendo aos poucos. Dos outros nem me lembrava mais. Subir o morro? Só se fosse obrigado. 
            Não, obrigado, sou do plano. Tenho um plano.
            Foi isso que disse pro Chumbinho quando me procurou há alguns dias. Estava encrencado, precisando de grana. Conseguira se fazer na vida sabe-se lá como, estampa na capa de revista, empresário de alguma coisa. Mas o luxo consome mais rápido que o lixo. Ainda assim somos consumidos, consumidores por natureza, usuários alguns, outros apenas de uso ou abuso.
            Me dei bem como investigador, federal, mas só isso mesmo. Vi a foto do Chumbinho e tracei a situação. Quando se vive no meio da sujeira não dá pra manter os pés limpos. Não tinha os meus, nem ele. Só problemas precisam de solução. Apresentei para o Chumbinho a minha. Simular sequestro, dar um golpe na que detinha a grana, apaixonada herdeira de senhor desconfiado, outro safado. Coisa simples de se fazer. Esconder por uns tempos até pagar a grana, dividir no meio o resultado. Ainda mantinha aberto o barraco abandonado. Coisa feita, grana preta, solução a vista.
            Aceitou, o que não se faz pelos amigos? Ganhar dinheiro no mole. Eu dava um jeito de fazer a coisa acontecer, ninguém nem ia saber. Mas souberam. Não todos, só alguns de boca miuda, que falaram para o Pitoca. 
            Amigo que é amigo não abandona na dificuldade, quem ia pensar isso naquela cidade? Que amizade às vezes dura muito, lembranças perdidas por uns e jamais esquecidas por outro? O Pitoca não ficou rico, não se tornou astro de filme, mas ajudava a comunidade. Mestre Pitoca, conhecedor da malandragem, amigo pra toda hora. Tinha que ir atrás do Chumbinho, raptado, coitado. Tinha que vir armado.
            A noite todos os gatos são pardos, que o diga o Chumbinho que ao ver homem armado se aproximando pensou que era algum comando, atirou sem pestanejar. Eu devia ter previsto, covarde nunca gosta de correr risco, nunca subiria o morro sem estar acompanhado do codinome abandonado.
            Pitoca mesmo alvejado, não desistia do seu intento salvador, morar perto do céu por toda vida, dá ideia de redentor. Revidou no tiroteio, sem saber quem atirava.
            O sangue vermelho da noite que avança, as trevas azuis da dança de morte, a vida de quem não tem sorte.
A noite todos os gatos são pardos, os sonhos são fardos e o futuro é a incerteza de alguém descobrir o motivo de se perder dois bons amigos da infância, que poderia ter sido melhor.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...