quarta-feira, 24 de agosto de 2011

FIGUEIRA - Rogério Camargo


Ah, figueira, figueira, esparramada
em galhos como os sonhos de um garoto
que faz um ícone de quase nada
e faz vestes reais de um pano roto. 

Figueira pela luz do sol beijada –
o vento que te brinca, impertinente,
tornando essa manhã mais encantada,
é quase o teu retrato inteligente.

Figueira testemunha da quietude
e do bulício, da paz e da batalha
entre os opostos e entre as convergências.

Vegetal, filosófica saúde,
da tua verde rama não se espalha
apenas nestas belas aparências.

10.08.2011.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...