segunda-feira, 31 de agosto de 2009

(Sem Título) - Grazzy

Grazzy Yatña

http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=14572048851528608183

Nada ficaria por fazer.
Dissemos algo bem distante da preguiça, a vida toda, não lembro bem o quê pois o ninho era silêncio agitado, desembalando mundo e chacoalhando do acaso.
A intensidade da clausura mais linda nos trouxe o entendimento da fome sem conclusão de dor.
Ainda vejo as ruas como enquartelamentos dos vestiários, salvo alguns ataques de terrorismo poético mas pobremente sem encaixe de significado amarrados fatidicamente pela esperança. Ainda bem que tem você nu, desafiando todos os discursos e bem inserido nos gols.
Sempre gostei da nossa cidade, cidade que é zona de apaixonamento.Cogita-se liberdade só quem não a suporta em si.
As crônicas mais aceleradas, debochando do tempo-espaço entre um gole e outro, nos cabe perfeitamente: passado, presente e futuro é só um pouco de ridículo na fumacinha do meu cigarro nos sacando.
Existe o Sublime, após e mesmo antes da beleza. Belo é balbuciar. Sublime é o trovão
com relâmpago. Ainda mais se cai perto, ou se cai longe, iluminando montanha como se fosse fantasma enorme e visionário.
São três os estados da matéria: a ironia, a indiferença, a amorosidade. Com você, sempre tive isso de baixar a guarda e permitir o amor.
Quando a guarda está levantada,cansa mesmo, é a ironia, mas ela defende da indiferença, que dá um enorme sono de viver.
Claro que não é tão simples. Mas pra te dizer do amor, pai.
O que resta da experiência do sublime é uma espécie de categoria da memória, que podemos chamar de "O retorno".
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...