quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Xeque Mate - Danny Marks




“Na vida, diferente do xadrez, o jogo continua após o xeque-mate”
Isaac Asimov

             O João estava para voltar.
            Foi uma comoção, na empresa, essa notícia. Era o herói de todos.
            Nem sempre fora assim. Antes o João era apenas mais um cara legal, como tantos que iam e vinham.
            Um companheiro de bate-bola de vez em quando, um oi dado sem olhar de novo, no corredor ou no elevador, um favorzinho aqui ou ali, e algumas cervejas em festas e comemorações.
            O João bêbado era um caso a parte, quase um comediante transbordante de alegrias e brincadeiras para com todos, mesmo os que nem lembravam de tê-lo visto.
            Naquele dia o João estava bêbado, quando a arvore o atropelou a 150 km por hora.
            — Absurdo! Culpa dessa “lei seca” — dissera o Rômulo ao saber do caso — Se ele não tivesse pego carona no carro do Martins não tinha acontecido isso.
            Sim, o Martins, aquele que perdeu o carro, o respeito dos outros e de si mesmo. O que ganhara uma depressão crônica por causa do acidente, que acabou fazendo com que perdesse o casamento também.
            Todos afirmaram no inquérito policial que não era culpa do Martins. Fora escolhido o “motorista da vez” e estava completamente sóbrio naquela noite. A empresa exigia respeito às regras.
            Sorteado pelo carro novo, recém comprado, modelo potente, prestação cara. O João, entusiasta alcoolizado, incitara a pisar fundo na banheira na descida, logo depois do semáforo, resolveu mostrar como se faz para ligar o som do carro, se espremeu entre os bancos da frente acotovelando-se com o Martins, que apertou demais o acelerador.
Ai veio aquela arvore...
            O importante é que todos deram uma força para o João, menos o Martins.
            O intrépido carona virou um ídolo na empresa, afinal quantos já partiram do banco traseiro de um carro atravessando o vidro dianteiro para cabecear uma arvore e sobreviveram para contar a história? Um milagre, foi o laudo final.
            O que é uma cicatriz ao longo da coluna? Todo herói tem suas cicatrizes, não é mesmo?
            Um ano internado, oito meses de fisioterapia e estava feito novo. Precisava de uma festa, claro. O João era um exemplo de superação, de garra, alguém que ganhara um rosto dentro da empresa. Era um cara especial, agora.
            Reuniram-se para decidir como seriam as boas vindas.
            Uma festa no salão de reuniões era o melhor. Só precisavam tirar a mesa para um canto e por as cadeiras para fora e...
            Começou a complicação.
            — Todo mundo de pé e o cara sentado? Vai pegar mal.
            — E se arrumássemos cadeiras de rodas para todos? Pro cara se sentir igual à gente?
            Carlos passou o resto da reunião sem falar mais nada, trespassado e fulminado pelas setas envenenadas dos olhares. Pôxa, só queria ajudar. Gente insensível.
            — Podemos contratar aquele casal argentino de deficientes, sabem, aquela bailarina cega com o perneta, que dançam tango. Que acham? — disse a Patrícia, da comissão de licitações.
Se fosse homem tinha apanhado, mas mulher bonita, loira...Tinha desculpa.
Alguém ainda tentou corrigir.
            — Não se fala deficiente, é...Sei lá. Como é que chamam agora mesmo? — Foi ignorado, ninguém estava atento a isso no momento.
            Eram pessoas civilizadas, de mente aberta e pró-inclusão. Não possuíam preconceitos, todo mundo tem o seu valor, não é mesmo?
            Decidiram por um meio termo. Uma reunião comum, com umas bolinhas coloridas nas paredes, algumas cadeiras nos cantos para quem quisesse sentar e espaço livre para transitar sem esbarrar na mobília. Alguns salgadinhos, mas nada de bebida, para não lembrar...Talvez refrigerante, mas pouco.
           
(...)

            O João apareceu na sua cadeira nova, presente da empresa (com logotipo e tudo) em nome dos colegas. Aplauso geral, ou para ele ou para a morena que veio junto. Um Espetáculo de mulher, morena, olhos verdes, corpo de modelo embalado em um longo de costas de fora, decotadíssimo, empurrando a cadeira com certa dificuldade pelo carpete felpudo.
Como ninguém tinha pensado nisso? No carpete, não na mulher.
            No discurso que se fez necessário, o João falou de como o acidente mudara a sua vida para melhor.
            Com a indenização do seguro comprara um carro adaptado, desconto do governo e facilidade de pagamento e tudo embutido. Agora tinha até vaga garantida. Brincou.
            Aprendera a valorizar as pequenas coisas e descobrira outras tantas grandes, como o amor.
            Ficara noivo de Renata, sua fisioterapeuta, que era uma mulher especial (nenhum dos presentes teve dúvidas do quanto, diferiram apenas na modalidade da especialidade), e que lhe mostrara o valor da vida e do amor. Agora era um novo homem, cuidava mais da saúde, voltara a estudar, já tinha até planos formados para o futuro.
            Foi polidamente aplaudido. Pessoas civilizadas.
            Renata cuidava muito bem dele, que irradiava alegria de estar de volta. Fora logo colocado a um canto, como um santo no altar.
            Os colegas iniciaram a romaria de um ou dois minutos de proza, sorrindo polidamente e incluindo na conversa, delicadamente, a “noiva do João”, como ficou sendo conhecida a Renata nas rodas que não se prendiam no carpete do salão.
            — Você viu só? O que um mulherão daqueles faz com um cara que...bem, vocês sabem...
            Dizia um aqui.
            — O mundo está cheio de gente aproveitadora... sem escrúpulo algum. Eu conheço um caso de...
            Dizia outra ali.
            A cada palavra dita, mais se esqueciam do João e de suas novas vantagens e se sentiam mais e mais injustiçados pelos azares da vida.
            Até que alguém comentou que o Martins não tinha comparecido a festa.
            — Coitado do Martins, nunca mais foi o mesmo depois do acidente.
            — É verdade. Um cara incrível, suportou tudo sem reclamar. Cara admirável, homem de fibra aquele.
            Todos concordaram. O Martins era um exemplo de pessoa. Alguém realmente especial. Um grande amigo. Um homem de verdade, completo.
            Segunda Feira, quando o Martins chegou, não entendeu por que todos o tratavam com uma deferência que nunca tiveram.
            Chegou a ser aplaudido pelos colegas de sessão, na reunião depois do almoço, sem um motivo aparente, só pela presença mesmo.
            O João chegou atrasado. Perdera um tempo enorme tentando arrumar alguém que o ajudasse a escalar os dois degraus da entrada do prédio.
            A rampa de acesso ainda estava para ser comprada, havia outras prioridades mais imediatas.
            Os colegas passavam apressados, por ele, dando um oi rápido sem olhar para trás.
            Foi, afinal, o Martins, que conseguira ser liberado para ir ao banco negociar com o gerente as dívidas que tinha, que acabou ajudando o amigo a subir os últimos lances. 
            Dois heróis na contramão.
            Somos todos iguais em nossas diferenças, diriam uns poucos mais sábios. Mérito de gente civilizada.
           
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...