quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Ensaio Sobre a Mentira - Danny Marks



A verdade é que todos mentem!
Ainda na infância ouvi uma história sobre um padre que, preocupado com a sua comunidade, solicitou aos fiéis que assistiam à missa lessem o capitulo dezessete do evangelho de São Marcos para que estivessem preparados para o sermão do outro domingo.
Na data marcada, antes de iniciar o sermão, o padre pediu para aqueles que não tivessem lido o capitulo dezessete de São Marcos se retirassem da igreja pois a estes não interessaria o sermão do dia. Como ninguém saiu ele disse:
— Ótimo! O sermão de hoje vai ser sobre a mentira. O Evangelho de São Marcos só tem dezesseis capítulos.
Esta história acompanhou-me por longos anos, e sempre achei interessante o fato do personagem ter usado um subterfúgio de retórica. Ao mentir o padre automaticamente se colocou como um dos necessitados em ouvir o sermão sobre a mentira, e como todos os outros mentiram que haviam lido um capitulo inexistente, então se igualavam.
A mentira é, provavelmente, a coisa mais democrática que as sociedades inventaram, depois da própria democracia, obviamente. 
Ao contrário da verdade ou véritas ou alethéia, conforme o caso, que necessita de atributos morais elevados e uma liberdade (ou poder, autonomia, segurança) para ser exercida abertamente; a mentira é exequível por qualquer pessoa sem qualquer requisito básico necessário e, normalmente, tem um objetivo único que é o de proporcionar um lucro pessoal ainda que possa servir como linimento para outros.
Falar a verdade é algo mais complicado. Dependendo da sociedade em que é apresentada, só pode vir de Deus (Alethéia), embora, digam alguns, este seja uma mentira inventada pelos homens.
Existe também a verdade imutável (Véritas) que está além de qualquer forma de interpretação possível da mesma. A interpretação da verdade universal (Véritas), também chamada verdade dos fatos, gera a corrupção da verdade pelo filtro pessoal tornando-se a verdade humana, falível e tendenciosa, o que a aproxima bastante da mentira, em ultima análise.
Obviamente que uma verdade humana que é aceita por consenso como Verdade, ganha ares de Universal e até ser questionada, segue incólume em seu curso.
A mentira também pode ser utilizada desta forma, quando aceita e difundida por um grupo suficientemente forte ou com respeitabilidade, ganha a força de uma Verdade Humana, interpretada a luz das convicções e necessidades de cada grupo e seus seguidores.
O mais interessante é que ninguém pede provas de uma mentira, ela se basta a si mesma de tal forma que até prolifera independente de quem a criou, expandindo-se com uma velocidade tão grande quanto a comunicação permitir. Já a verdade é logo de cara questionada, como uma falsa mentira, da qual se percebe, logo de cara, as intenções desveladas .
 A verdade é confusa, a princípio; fraca, precisa se apoiar em inúmeros fatos para tentar  manter-se e, mesmo assim, não convence de forma categórica sendo volta e meia questionada sobre sua aplicabilidade, profundidade e amplitude.
Só a muito custo é que uma verdade consegue vingar, crescer e se tornar autônoma para ser, na maioria dos casos, esquecida logo a seguir, incorporada a imensa quantidade de coisas que não se para duas vezes para pensar as motivações ou repercussões.
Convenhamos, é um fato que ninguém lembra-se espontaneamente de uma grande verdade que foi dita a, digamos, dois dias atrás; mas todos hão lembrar indefinidamente e com imensa quantidade de detalhes, muitas vezes acrescidos posteriormente de forma totalmente autônoma, de uma grande mentira contada ha vinte, trinta anos ou mais.
A mentira fascina a humanidade de tal forma que quando há uma ausência dela em seu meio, gera-se imediatamente vários movimentos para estimular o seu surgimento e difusão. Independente de qual seja a formação social, psicológica, moral, religiosa ou política de uma sociedade, a mentira é vastamente estimulada por uma necessidade ou outra que possa ocorrer, seja relativa aos que comandam, seja relativa aos que são comandados.
Hermes trimegistos, o Deus da comunicação é também considerado como o Deus da Mentira, porém até este fato é questionável pois o mesmo título é dado a Loki – Deus nórdico da trapaça e da travessura; a Satanás – contraparte cristã do Deus da verdade; a Maia – Deusa hindu da Ilusão; e a tantas outras figuras proeminentes que provavelmente cada uma delas deve ter parte nesse engodo, afinal a mentira , por ser democrática, não deve pertencer a ninguém e servir a todos.
Engana-se quem acredita que a mentira é inútil e desnecessária. Sem a sua existência não haveria a ficção, que é uma invenção completamente aceita em sua natureza mentirosa; não haveria a imaginação, que é o engano criativo; não haveria nem mesmo a sociedade, que não passa de uma ficção desenvolvida na imaginação de alguns e abençoada por um deus qualquer que em ultima análise não passa de uma farsa criada pelo mesmo grupo a quem a sociedade serve.
Considerando-se friamente, a verdade pode ser tão danosa e agressiva quanto a mentira pode ser doce e aprazível, ambas podem trazer frutos doces ou amargos, ambas se sustentam por seus próprios meios e com fins determinados na sua divulgação e abrangência.
O que distingue, basicamente, a Verdade da Mentira é que a primeira sempre será coberta por uma aura incorruptível de virtude, dificilmente atingida e sustentada por seres humanos; já a Mentira tem seu papel mais próximo da humanidade, gerando conceitos falíveis e reversíveis, gerando possibilidades criativas e extrapolativas da realidade que nos cerca a níveis que, muitas vezes, permitem que se descubram verdades ocultas.
Não que se deva estimular uma ou outra em maior grau, cada qual como parte complementar do plano humano e suas concepções, tem sua importância e suas consequências que nem sempre são compreendidas completamente, a menos que se analise cada qual individualmente, o que as corromperá de forma inexorável em seus princípios básicos.
Então, verdade seja dita, por mais danosa que seja a mentira, não podemos sobreviver, enquanto humanos, sem ela. Por outro lado, quando a mentira for absoluta, estaremos fadados a perecer de verdade.

Danny Marks
29/07/2010
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...