quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Azeitona com Caroço - Danny Marks


          Tem aqueles momentos em que algo arranca você das suas mais profundas e relaxantes reflexões e o lança em um caos. Aconteceu comigo quando me deparei com o imenso aviso amarelo, com letras pretas em caixa alta: NOSSA EMPADA DE PALMITO CONTEM AZEITONA COM CAROÇO.
          Não há como ficar isento depois de um quase nocaute intelectual desses, e nem estou falando da ausência do acento agudo que deveria estar contido também. A mente se recusa a aceitar o que está sendo visto, isso é um verdadeiro absurdo. Como assim?
          Os óculos redondos, com ar intelectual, que estava logo abaixo do aviso, desafia para o duelo. Apresente suas armas. Tudo bem, vamos começar com um tiro de aviso. Empadas de palmito tem que conter palmitos, não azeitonas ou seriam empadas de azeitonas, não de palmito.
          Fraco — Ri os óculos, o que me deixa apenas mais indignado. Então vai ser assim, nenhuma suavidade no trato, nenhuma delicadeza a mais. Pois bem, que seja. O negócio é o seguinte, destaca-se apenas conteúdos perigosos quando oferecem perigo para determinadas pessoas. Então deveria avisar “contém glúten”, ou ovos, ou leite, ou qualquer outro componente que possa causar risco à saúde dos que não estão devidamente avisados.
          Então – responde os óculos com ar superior, o sorriso esboçado no canto da armação – caroços de azeitona fazem mal aos dentes, daí o aviso.
          Não tem jeito, a guerra está declarada. Às favas com a delicadeza. Ao contrário dos ovos, leite, glúten que não podem ser simplesmente retirados do conteúdo sem alterar significativamente a composição, o mesmo não ocorre com caroços que só existem na natureza como uma tentativa de perpetuação da espécie, sendo o invólucro apetecível justamente como estratégia dessa propagação.
          Exatamente. Caroço e azeitona fazem parte naturalmente de uma estratégia da natureza. Nascem juntos, crescem e cumprem seu objetivo até que sejam separados na degustação que lhes foi prevista de forma natural. O que deus uniu, o homem não separe.
          Agora ultrapassou o limite da aberração, juntar argumentos que fogem completamente à lógica é um sinal de falhas graves no entendimento da situação, ou então é um deboche declarado, que exige uma resposta à altura.
          O homem, criatura de deus, inventou a tecnologia que o separa do resto dos animais e lhe permite criar coisas como industrialização de azeitonas sem caroço e empadas de palmito, sem que se tenha que levar a arvore junto. Já sinto um embaçamento das lentes. Cogito ergo sum, e engula esse caroço agora.
          Não engole. Arqueia uma das hastes em um claro gesto de ameaça. Industrialização que aumenta os custos dos produtos comercializados e que acabam sendo repassados para a cadeia produtiva até chegar ao consumidor final. Reduzir os custos é uma forma de minimizar para o consumidor o impacto de ter que digerir o preço que, de outra forma, acabaria ficando salgado.
          Não me atinge, estava preparado para o ataque. Descaroçador manual, custa quase nada e, pela mesma lógica de agregar valor ao palmito com o acréscimo da azeitona, agrega valor pela retirada do caroço da mesma. Xeque-mate, triunfante declaro. Não há como reverter a situação. Apenas desvia a luz e se cala.
          Aproximo-me e declaro: Uma empada de frango, por favor. Detesto palmito, prefiro algo com mais proteína, a vida alimentando a vida. Toda batalha acaba dando fome, que afinal é justamente o motivo para que hajam batalhas. Dou uma dentada cuidadosa para evitar o maldito caroço, vencido, mas arrogantemente escondido em sua insignificância. Não encontro nada.

          Como assim não tem azeitonas na empada de frango? NEM COM CAROÇO!?
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...