segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Novembro Azul - Danny Marks


               Chega aquela época da vida em que você tem que tomar uma decisão que pode afetar os rumos do seu futuro.
              Adolescência? Claro que não. Essa coisa de adolescência é uma invenção da modernidade, antes se passava da infância para a idade adulta sem escalas, no máximo com algum rito de passagem que te dizia “agora você é adulto, se vira”.
              As mulheres continuam tendo ritos de passagem estipulados pela natureza. Começou a menstruar? Está na hora de ter aquela famosa conversa... com o ginecologista. É, sexo já não é mais uma coisa escondida, um tabu que precisa de autorização para ser discutido. Até acho que se discute mais, e se faz menos, sexo do que em qualquer período histórico. E, se me permitem acrescentar, com culpa jamais registrada na história da humanidade.
              Mas voltando ao assunto principal. Chega a hora para os homens em que é preciso tomar uma grande decisão. Fazer ou não o exame de próstata. Ferrou, bota tabu nisso.
              As mulheres saem na frente, como sempre. São mais solidárias com elas mesmas. Menstruam antes dos homens terem atingido seu potencial fértil. Menstruam juntas se convivem no mesmo ambiente a maior parte do tempo. Fazem campanhas, com apoio até dos homens, para prevenir doenças genitais. Câncer de mama tem até propaganda na TV. Artistas divulgando a importância. Cuidem da saúde! É o recado sem preconceito.
              Mas para os homens a coisa tem sempre que ser mais complicada. São homens, para que facilitar, né? Melhor é aumentar a complicação, colocar medo, dar aquela risada sarcástica, vingativa. Tá com medo de levar uma dedada no ânus? Pois eu faço exame de toque desde que era menina virando mulher. Dedos ampliados em tamanho para se parecerem com armas.
              Pois é. Não é fácil quebrar um preconceito. Quantos milhões de pessoas no mundo morreram ao longo da história da humanidade vítimas de algum tipo de preconceito. Se for fazer uma pesquisa deve matar mais do que acidente de carro. Mesmo na época em que mais se fala de combate aos preconceitos, ninguém fala de exame de próstata. Cala a boca, mané? Qual é? Tá querendo acabar com a minha masculinidade? No meu ninguém bota a mão!
              E por conta disso a desinformação rola solta. Ninguém se preocupa com estatística dos homens morrendo de câncer de próstata, isso é coisa de velho, meu velho.
              Me parece uma reação infantil contra o medo que se arrasta e é empurrado com a barriga (e barriga é coisa de velho, né?), até que não dá mais para fugir. Muitas vezes, tarde demais. Morro, mas no meu rabo ninguém põe a mão! Como assim?
              Se formos pensar em termos evolutivos, os homens já deram o rabo há muito tempo. Deram o rabo para se tornarem hominídeos, desceram das arvores e agora só se preocupam se o pau vai cair ou não. Mas a raiz do problema está em outro lugar.
              Até os quarenta anos ir em um urologista é coisa rara, ainda bem que existem exames de sangue que detectam tumores e podem ser receitados por qualquer médico. Tem também os exames de ultrassom pélvico que podem identificar algum problema, não apenas na próstata, mas nos rins, nas vias urinárias. Urologista é para ir quando se tem doença venérea, coisa de homem. Ou não?
              As mães já decretam logo. Ir ao médico é para mulher, se está virando mocinha então é uma obrigação. Homem faz exame quando trabalha e a empresa pede. Se não pede, não faz. Não tá doendo tanto assim. Homem tem que ser forte. Exame pra quê? Tô curtido no álcool, vou ser eterno. Coisas assim que se ouvem constantemente que atestam como os homens são meninos frágeis, carentes, potenciais provedores que devem se sacrificar pela sua prole. Homem bom morre logo depois que os filhos já estão grandinhos e para de encher o saco da mulher. Deixa pensão e conforto. Livra da visão da barriga caída, das costas arqueadas. Coisa caída não é sinal de um bom homem. Fala sério.
              Homossexualidade feminina é vista como o encontro de duas rosas a desabrochar, mas homossexualidade masculina é aberrante, parece briga. Que história é essa de ter um cara enfiando o dedo no seu ânus? Parece coisa de teatro de mau gosto. Coisa de modernidade escatológica só para estimular um debate e fugir das coisas sérias que deveriam debater.
              Preconceito. Por que será que tem tanto ginecologista homem e não sei de nenhum urologista mulher? Aliás, nem gay. Coisa para se pensar a respeito. Será que o ânus masculino é o último bastião da sociedade? Se for, estamos na merda mesmo. Com o perdão do trocadilho. Aliás, que se dane, trocadilho me lembra outra coisa.
              Pois é, aos quarenta anos chega aquele momento trágico que ninguém quer falar. A hora de decidir o que é mais importante, sua saúde (inclusive a sexual) ou a sua referência de masculinidade? Melhor ter um papo aberto com o urologista. Discutir a relação.
              O meu disse que os exames de sangue e ultrassom são bons, mas o mais eficiente ainda é o de toque porque há toda uma sensibilidade desenvolvida pelo médico para checar se há algum intumescimento (não é só o pênis que fica duro no homem, a próstata com problemas também, e não é sinal de alegria, acredite), de aumento de volume. Todas aquelas coisas que fora do lugar certo são sinais de problema.
              Se é para abrir a coisa, no bom sentido, então vou logo perguntando para o especialista como ele desenvolve a tal “sensibilidade”. E o cara fala direto, sem problemas, ele testa várias vezes no próprio. É, o cara passa muito tempo enfiando o dedo no próprio ânus para poder aprender a checar a textura da próstata através do acesso permitido pela natureza. É de respeitar isso. Um cara com medo de tomar uma dedada por ano, enquanto o outro tem que fazer isso com frequência para poder treinar a sensibilidade tátil. Esse é macho! Fala sério!!! Talvez por isso que não existam mulheres urologistas, não tem próstata. Cadê a igualdade nesse caso? Aliás se fosse uma mulher a fazer o exame de toque em um homem, será que haveria mais gente se animando a fazer? Sensibilidade não é uma coisa creditada às mulheres? Sei lá, tem pouca gente que fala sobre o assunto e fica difícil ver todos os ângulos da questão, sem trocadilhos aqui.
              Vai que numa dessas as pessoas comecem a aprender a fazer o autoexame, como as mulheres fazem nos casos de câncer de mama. Fico imaginando como seriam as campanhas educativas. Há todo um universo inexplorado nesse sentido, se é que você me entende.
              Mas, infelizmente, o que se vê é um tímido comentário em algum lugar sobre o Novembro Azul, que me parece até coisa preconceituosa (outubro rosa para o câncer de mama e doenças sexualmente transmissíveis nas mulheres; novembro azul para o câncer de próstata, e só, nos homens. Por que rosa tem que ser cor de mulher e azul cor de homem? E as/os homossexuais? Vai ter um janeiro arco-íris para prevenir o carnaval?).
              Enquanto isso os homens que não querem mexer no seu buraco, estão indo para o buraco (que se dane o trocadilho), com o apoio total dos preconceituosos de plantão.
              Se eu fiz o exame? Claro que sim, faço um check-up todo ano, com direito a ultrassom pélvico e exame de toque. Por que acha que a cada dia me pareço mais desejável? Sou um dos poucos homens que vão envelhecer, com saúde principalmente, e como as mulheres sempre se cuidam muito, vão ficar lindas e carentes de homens que não tem medo de receber um toque de como se preservarem para os prazeres da vida.
              Amigo de verdade alerta para os problemas. Seja homem por mais tempo, vá ao urologista e cuide da sua saúde. E quando voltar a ler este texto vai poder rir, sem preconceito.

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...