sexta-feira, 8 de junho de 2012

A quem pertence? - Danny Marks


 Foi por acaso, tinha certeza disso.
Até alguns anos atrás, ao menos, quando começou a duvidar cada vez mais das coisas que antes dava como certas.
Dera de cara com ela, em alguma esquina; dessas que se vira sem olhar, sem pensar, como se o caminho já estivesse traçado de antemão por um navegador que vai lhe ditando as ordens em que você confia, sem nunca saber quem realmente as deu; ou por qual motivo escolheu dentre todos os caminhos possíveis entre dois pontos, justamente aquele.
Até tentou contornar a coisa, mas algo o impedia, parecia que ela se agarrava a ele de alguma forma que não compreendia.
Deve pertencer a alguém, pensou rapidamente, melhor devolver logo.
Olhou em volta e viu uma senhora carregando um monte de pacotes, provavelmente havia deixado cair, lógico. Correu até ela e se prontificou a devolver-lhe o perdido. Mas foi olhado com tanta estranheza que mudou de ideia.
Talvez aquele com a gravata bem alinhada de um Mario Puzzo moderno. Claro só podia ser dele.
Não era. Como também não foi da atriz famosa, do vizinho, do compadre do boteco, do religioso que passava ao largo de forma rápida demais, um suspeito olhar estrábico.
Não podia simplesmente deixar as coisas assim. Tinha que achar a quem ela pertencia, devolver ao seu legítimo dono para que desse solução ao caso. Sentia-se como um detetive investigativo, procurando pistas que levassem a origem, ao motivo dela se encontrar exatamente ali, como que esquecida, talvez.
Foi tentando todas as possibilidades, do médico ao juiz, do professor ao aluno, da família à sociedade, mas ninguém a reconhecia, ninguém a queria.
Em certo ponto, já quase inconformado com a situação, decidiu que era melhor se livrar dela do mesmo jeito que haviam feito.
Surgiu a oportunidade ao ver o mendigo bêbado, enrolado em restos e excrementos.
Passou ao lado deixando cair discretamente sobre o pobre diabo, ele saberia lidar com a coisa, afinal já carregava tantas outras que não lhe pertenciam mesmo. O diabo que a carregasse, estava farto de tudo aquilo.
Foi feliz para casa, sentia-se outro, finalmente.
Tomou um longo banho quente, relaxante. Pretendia preparar um boa refeição, vestir uma boa roupa, sair ao ar livre.
Ar livre, que coisa fantástica isso, era como respirar sem entraves de novo. Encher o peito e exalar lentamente.
Passou a mão no rosto e sentiu uma aspereza incomoda.
Foi olhar no espelho e tomou um susto.
De alguma forma ela estava sobre suas costas, não conseguia arrancá-la. Alguém a colocara ali, e ali ficara, presa definitivamente.
Deus, maldito seja, por que não ficava com ela para ele; por que não a dava a outro?
Chorou por um longo tempo até que, sem mais o que fazer, vestiu-se e foi trabalhar.
Carregou a Verdade por muitos anos, na esperança de algum dia, de alguma forma, encontrar alguém que ficasse com ela, livrando-o definitivamente de qualquer responsabilidade.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...