sexta-feira, 29 de junho de 2018

Cobra de Sarte - Danny Marks


É comum no Brasil falar que são milhões de técnicos de futebol, ainda mais quando há Copa do Mundo. Todos opinam, dão soluções, apontam falhas e continuam torcendo para que o melhor aconteça. Isso é bom? Ruim? Nenhum dos dois, apenas um jeito de ser brasileiro. Acho que seria interessante se houvesse algo do tipo em relação a literatura nacional. Como assim? Tá maluco? Um monte de gente dando pitaco sobre o que não entende? Sério, não entende mesmo? Ainda que não entenda das estratégias, das dificuldades, de todo o estudo necessário, das cartolagens, etc. Ainda assim, seria melhor que apenas o desprezo puro e simples, porque movimentaria a opinião pública, agitaria o mercado, daria oportunidades para um ou outro se destacar por suas qualidades.
            Sou leitor crítico antes de ser autor, ampliei ainda mais a minha crítica com cursos de escrita, de formação para autores, mas nunca deixei de ler as obras nacionais clássicas ou contemporâneas, porque é preciso ver o que está sendo feito por aqui, tanto quanto o que está acontecendo e funcionando lá fora. Vejo criticas imensas ao mercado nacional de livros (?) e tenho as minhas conclusões. Livrarias fechando, migrando para a virtualidade que depende dos correios para distribuição dos exemplares, o que encarece (e dificulta) o acesso ao livro ainda mais. E a solução que todos encontram para isso é meio que obvia, é preciso investir no autor nacional, mais barato porque não tem que traduzir, retrata nossa realidade, tem uma linguagem mais próxima do nosso dia a dia.
            Não vou nem falar que nunca foi interesse de nenhum governo incentivar a leitura que obriga a uma educação melhor, que faz as pessoas questionarem mais e com melhores argumentos sobre a realidade, acostumadas que ficam em acompanhar argumentos estruturados. O que questiono é o próprio mercado. Não há interesse em formar um público ou há erros nas estratégias de ganhos? Porque há muitas pessoas ganhando dinheiro com publicações no Brasil. Gráficas, editoras que publicam os independentes (o autor paga pela publicação e pela revisão, a editora fica com parte do lucro das vendas), livrarias (que cobram para simplesmente deixar os livros nas prateleiras). E o leitor? O leitor que sustente isso ou seja taxado de inculto.
            Concordo plenamente com aqueles que dizem que é preciso investir no autor nacional, há excelentes autores por aqui que fazem sucesso até mesmo no exterior. Na verdade, boa parte dos que fazem sucesso aqui, começaram a fazer sucesso lá fora, para depois serem aceitos por aqui. Não é estranho, afinal foram testados por um publico critico (do estrangeiro) e provaram que souberam investir nas suas carreiras, na qualidade do seu trabalho. Mas, se tinham qualidade internacional, porque precisaram fazer sucesso em outros mercados antes de serem valorizado por aqui?
            Porque há muitos autores ruins publicando, na forma independente há uma enxurrada de publicações sem um mínimo de trabalho, sem profissionalismo de ponta a ponta. Virou um hobby (caro) publicar no Brasil e se formou uma indústria de publicações nesse sentido que afastou ainda mais o publico de autores nacionais. São verdadeiro heróis os leitores que pagam para comprar livros brasileiros sem conhecer nada do autor, ainda mais quando toda a tendência de mercado aponta para outros estrangeiros que já vem com marketing pronto e todo mundo comenta. Quem falaria do Atlético do Barro Vermelho, um time de várzea que só é conhecido por uns poucos? Quem iria comprar um título desse clube em que os jogadores têm que pagar a passagem e hospedagem do próprio bolso quando vão jogar em uma cidade próxima? Mas até nisso o futebol dá de goleada, porque há olheiros que pinçam os talentos imaturos e os elevam a categorias de nível internacional.
            Claro que nem todos os jogadores vão ser puxados para o topo, mas ao menos terão mais chance de mostrar o seu talento, e se não forem os melhores, ao menos poderão continuar se divertindo. E sim, há muitos problemas até mesmo no futebol de base, mas há mais escolas de futebol financiadas por clubes de grande porte que há escolas de formação de escritores, ou alguém discorda disso? Ah, mas há muitos outros esportes que não tem apoio algum e atletas que não conseguem patrocínio. Concordo plenamente e digo mais, parece que a “cultura” nacional é formada no sentido de desvalorizar ao máximo qualquer talento nacional. Por isso há uma fuga imensa de cérebros e talentos para outros países que apostam desde sempre nas suas bases e conseguem se manter no topo na economia global.
            Basta uma rápida pesquisada para ver brasileiros em posição de destaque em empresas estrangeiras de tecnologia, em equipes de pesquisa, em universidades, no cinema, nas artes, na música, nos livros. Isso porque foram além dos limites de exigência normais para uma competição justa. Esses brasileiros não apenas tiveram que superar os concorrentes nos postos que ocupam, tiveram que superar muito mais, antes de poderem concorrer. Escolas ruins, falta de estrutura, falta de apoio, sacrifícios pessoais e familiares para poder se manter no rumo e tentar um espaço em um mundo cada vez mais competitivo, cada vez mais protecionista com os seus ao mesmo tempo que discursam sobre a “globalização” dos seus produtos.
            Precisamos de muitos técnicos de futebol, de leitores críticos, de alunos exigentes, de agentes de cidadania, porque é dessa forma que se pode valorizar o que é nosso, melhorar a qualidade para todos, globalizar de fato o que tem valor e melhorar o nível mínimo do que é oferecido a um padrão de qualidade justo, pelo preço justo. É claro que sempre haverá os que falam muito, sem argumentos convincentes, deixe que falem, muito melhor que não haver ninguém que possa apresentar uma crítica e forçar uma evolução. É claro que sempre haverá autores ruins, mas deixe que apareçam, que sejam incentivados pelas criticas com argumentos, que apresentem os seus trabalhos para serem avaliados pelos consumidores.
            Quando as lojas de R$ 1,99 surgiram por aqui, com produtos importados de péssima qualidade, houve uma movimentação estrondosa de que isso acabaria com o mercado nacional. Hoje, o que mais se vê nessas lojas são produtos nacionais, o mercado se ajustou a uma demanda por produtos descartáveis. Isso é bom? Há controvérsias, algumas bem fundamentadas, mas o que quero destacar é que muitas industrias nacionais ganharam projeção porque disponibilizaram seus produtos no meio dessa enxurrada de coisas, demonstraram que tinham alguma qualidade e até alavancaram suas vendas para posições mais consolidadas. Aproveitaram as brechas dadas para outros produtos para mostrar que podiam fazer melhor, pelo mesmo preço. Quantas teriam essa oportunidade antes?
            Oportunidade, isso é o que é preciso incentivar, sempre. Formar uma base cada vez mais qualificada, capaz de ter uma análise crítica sobre o custo/benefício do produto produzido. E se no meio de um monte de coisas descartáveis surgir algo que ganhe espaço, ótimo, porque nem todas as ideias nascem para formar grandes histórias, nem todos nasceram com talento para seguir uma carreira proeminente, mas é uma perda imensa para a humanidade quando um gênio é jogado na sarjeta porque precisa pagar as contas do mês e a conta não fecha. Se vamos globalizar as coisas, é preciso incluir nossos produtos no cesto, ou então seremos apenas consumidores cativos do que nos querem impor.
            E, para quem se interessar, em breve meu romance distópico brasileiro será lançado aqui e na Europa. E isso é fruto de um esforço de anos de trabalho e estudo, de tentativas, erros, reformulação de estratégias e muita persistência. Há trabalhos meus em diversos lugares, antologias, blogs, sites, publicações independentes, na Amazon, no Google Plus, em editoras. Alguns podem ser lidos de graça, outros seguem outras estratégias de mercado. Não espere ser o ultimo a reconhecer o talento nacional, os melhores resultados são obtidos quando se consegue antever o sucesso. É assim que se consegue as melhores oportunidades. Pense a respeito, seu futuro pessoal e profissional depende disso e o Brasil agradece.

domingo, 10 de junho de 2018



Se as pessoas divulgassem livros com o mesmo empenho que divulgam notícias falsas e correntes, teríamos uma revolução cultural. (Danny Marks)

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Os Caminhos da Narrativa – Danny Marks



            É muito comum se falar dos benefícios de um livro para a vida das pessoas, inúmeras vantagens são levantadas pelos autores e divulgadores e não vou gastar seu tempo falando sobre isso. Mas, será que é apenas pela possibilidade de divertimento, de instrução, de autoconhecimento e coisas afins que é importante ler um livro? No Brasil, nas ultimas décadas, temos observado um movimento interessante. Há cada vez mais autores iniciantes lançando seus livros e tentando uma carreira nessa área, alguns com relativo sucesso, por algum tempo. Por outro lado, vemos um declínio significativo do mercado de livros (não confundir com mercado editorial, que é outra coisa). Também não vou aprofundar na questão de que ainda precisamos inventar um mercado de LIVROS no Brasil, porque já fiz isso em outros momentos e o objetivo deste texto é diferente, embora haja muitos pontos em comum com essas outras questões. Então vamos lá.
            As narrativas têm evoluído ao longo dos séculos, e isso é bom porque, em última análise, criatividade é o nosso negócio, certo? Alguns fatores são cruciais para que essa evolução se efetue. Em primeiro lugar há a realimentação dos temas. Uma temática tem que ser relevante para conquistar algum sucesso e longevidade na construção de um texto literário, isso significa dizer que o texto literário se apropria das condições de uma sociedade, elabora de forma artística e devolve para a sociedade os desdobramentos possíveis até os limites da imaginação e, em muitos casos, influencia os rumos dessa sociedade para algum caminho diferente. Esse movimento quase orgânico é semelhante ao que se pode perceber em qualquer sistema evolutivo, as soluções importantes prevalecem e se multiplicam, até que se tornam comuns e outros desafios se impõem exigindo novas soluções, enquanto que as que não são relevantes apenas desaparecem pelo peso de sua falta de sintonia.
            Não vou tentar descrever a miríade de modelos literários que foram criados, ampliados, ramificados e remodelados ao longo dos tempos, porque isso seria um trabalho para uma vida inteira e não haveria espaço aqui para isso. Vamos nos concentrar em algo mais específico e que serve como um dos pilares para vários modelos literários, a Jornada do Herói. É chamada assim porque trabalha com um formato específico, linear, de construção do personagem (o herói) que se encontra em uma zona de conforto até que é provocado por um chamado (algo que o obriga a sair dessa zona de conforto) e é auxiliado por um guia em sua jornada em busca de algo que vai promover o retorno à estabilidade perdida quando alcançar um determinado objetivo. Ao longo da jornada o herói terá que lidar com várias dificuldades e ao supera-las sozinho ou com ajuda de outras pessoas, vai desenvolvendo capacidades anteriormente adormecidas, além de sabedoria, e conquistando ferramentas na construção de seu destino.
            Se identificou? Provavelmente sim, porque a Jornada do Herói é em maior ou menor grau uma metáfora da saída da infância, o percurso da adolescência rumo à maturidade, que todos passamos em algum momento. Por isso mesmo é um dos pilares de vários modelos literários de extrema eficiência, afinal todos passamos por essa fase em nossas vidas, embora alguns não a superem com todos os méritos, mas isso é outra história. O problema, e nesse ponto é que iniciamos o nosso desvio, é que a sociedade evoluiu para uma forma em que cada vez menos há espaço para os heróis que centralizam em si a força e as soluções em jornadas razoavelmente solitárias, embora solidárias. Sem falar que cada vez mais, na sociedade atual, há uma identificação maior com o Vilão, o adversário do herói, a ponto de muitas narrativas inverterem o sentido e quase apagarem a linha divisória entre um e outro criando uma variante que denominamos o anti-herói, que é quase um vilão que deu certo quebrando as regras e fazendo as coisas necessárias de forma diferente do que está estabelecido a despeito do custo envolvido.
            Essa identificação com o anti-herói muitas vezes é maior do que a identificação com o herói, porque é mais comum em um mundo em que as regras mudam rapidamente e há necessidade de fazer diferente do padrão estabelecido e ainda assim funcionar bem para todos. O anti-herói não é contra o caminho do herói, mas um caminho paralelo, sombrio, onde não há certezas de sucesso e decisões difíceis são exigidas constantemente sob o risco de tornar as coisas piores, e não melhores, para todos. Se identificou com esse modelo? Pois é, na sociedade tecnológica as regras mudam rapidamente, e apenas aqueles que são capazes de fazer diferente e melhor são os que obtém sucesso. Nesse mundo tudo precisa evoluir, até mesmo os vilões, ninguém é bobo de acreditar que os desafios vão se manter os mesmos e é preciso sobreviver a qualquer custo. A sociedade pressiona nesse sentido “Seja igual a todos, mas faça melhor que qualquer um”, ou seja um paradoxo. Como fazer algo igual, a partir das mesmas bases, e obter resultados melhores?
            Essa é a grande charada da evolução. Seguir as regras até o limite de adquirir força suficiente para superar as regras e dar um salto no desconhecido. Se é desconhecido, não haverá guias, não haverá regras claras, quando muito a certeza de riscos e a possibilidade do fracasso, mas que se conseguir superar obterá uma capacidade inigualável, ou rapidamente será esquecido sem qualquer epitáfio. A pior parte do caminho do anti-herói é justamente essa, ele não tem uma zona de conforto, o chamado para a aventura não existe, ou melhor, sempre existiu e se chama sobrevivência, implicando que dependerá dos recursos da sociedade que o sustentou e agora exige a mudança, porém fará tudo para que fracasse e resistirá a qualquer alteração da balança do poder. O anti-herói precisa provar seu valor para ser reconhecido, o que é impossível até que a tarefa esteja completa, mas para conseguir alcançar o seu objetivo terá que convencer os provedores de recursos a ajuda-lo, fazendo o mesmo salto que ele no desconhecido.
            É nesse cenário de incertezas absolutas, de caos constante e desafios absurdamente enormes que o anti-herói tem que continuar sobrevivendo, e suportando as perdas pessoais e dos aliados que se arriscaram junto com ele nesse caminho, seguindo sua visão e confiando em suas habilidades. Parece impossível? Então considere que as coisas estão tão ruins que as chances de sucesso são mínimas para qualquer um, se nada for feito todos terão o fim decretado, por outro lado se fizer algo errado pode acelerar o fim, OU pode encontrar uma solução inusitada para o problema, que permitirá que o próximo da fila consiga avançar mais um pouco. O anti-herói, nesse contexto, é a evolução do herói que depois de ter conquistado a sabedoria, de ter feito sua aventura e vencido coisas terríveis, percebe que esse é apenas o inicio da jornada e não há um “viveram felizes para sempre”, pelo contrário, os adversários agora sabem do que é capaz e se preparam para vencê-lo e destruir tudo o que conquistou. Sabe aquele mosquito que sugou o seu sangue? Ele é mais fácil matar enquanto está com a barriga cheia, porque se move mais lentamente, está mais pesado.
            Um herói evita arriscar a vida dos amigos e aliados, por isso que facilmente conquista apoio, o vilão não se importa com ninguém e por isso tem dificuldade de manter o apoio,  já o anti-herói sabe que não pode proteger a todos e a si mesmo, então escolhe não ter aliados ou prepara-los para se defenderem sozinhos, apenas apontando a direção para onde pretende ir e se aproveitando de qualquer avanço que puder tornar seu, mesmo que ao custo dos que o seguem. Percebe que essa é uma forma de apresentar a teoria da Evolução das Espécies de Darwin? Os melhores preparados sobrevivem, isso quer dizer que nem todos vão conseguir, ou melhor, para que alguns sobrevivam, todos tem que dar o seu melhor e criar soluções que ajudem a coletividade e a si mesmos, não há um indivíduo que vai solucionar tudo, mas um grupo de indivíduos que pode potencializar suas chances trabalhando por um objetivo em comum. Parte desse grupo não vai chegar ao final, não vai suportar, mas de outra forma ninguém conseguirá vencer a adversidade, o herói passa a ser aquele que se sacrifica pelos outros e não o que chegou até o final. Nesse modelo a coletividade se torna mais eficiente que o indivíduo e se alimenta dos indivíduos que a compõe, e obriga a um outro tipo de habilidade, a do Líder que motiva os que o acompanham e se arriscam junto em um projeto. O líder, diferente do herói, não tem todas as respostas e vai cometer erros, por isso tem que rever constantemente suas estratégias para não perder o apoio e a força que o grupo lhe fornece. Um líder egoísta morre sozinho ou é morto pelos que o apoiavam, só um líder que tenta atender as necessidades da coletividade, mesmo lutando contra essa mesma coletividade, consegue apoio para sobreviver por tempo suficiente para fazer a diferença, até ser substituído por outro melhor capacitado que se formou no âmbito do grupo. É como o macho alfa de um bando de predadores, que tem seguidores enquanto conseguir sucessos, mas gera e sustenta os que irão substituí-lo entre os amigos e adversários.
            Conseguiu perceber os links com algumas narrativas de sucesso? Acredita que é injusto? Não é, se olhar pela perspectiva da evolução. Tudo tende a um declínio na natureza, chama-se entropia. A única forma de evitar a entropia é justamente manter a evolução constante, isso significa tornar as coisas diferentes para que continuem a funcionar, até porque tudo muda quando as soluções deram certo, algo que muda para permanecer igual tende a decair em sua energia gerando a estagnação, a entropia. É por isso que há um movimento crescente da distopia, aquele modelo literário que quebra as regras e tenta demonstrar da forma menos idealizada os fatos, destruindo a jornada do herói e seus maniqueísmos e tentando demonstrar que entre os dois extremos há um universo de possibilidades interessantes, mas nem todas viáveis ou benéficas para os envolvidos, por isso é importante ter cuidado com as escolhas que se faz e quais regras pretende quebrar.
            Foi nessa linha de argumentação que desenvolvi um modelo literário diferenciado, para poder alcançar o máximo potencial da narrativa que se tornou o eixo central da Saga Ad Aeternum. Em primeiro lugar abandonei a jornada do herói, a jornada do anti-herói, a jornada do vilão e estabeleci um modelo em que nenhum personagem é mais importante que o outro, mas todos tem um papel fundamental no desenvolvimento da trama. Isso gerou um problema enorme para compor a narrativa, não havia um modelo que pudesse me apoiar, era um terreno pantanoso que tinha tudo para dar errado e apenas algumas possibilidades de sucesso. Tive que refazer todo o projeto diversas vezes ao longo de seis anos de trabalho, reformulando tudo até chegar ao ponto em que gerava os resultados desejados. A narrativa cresceu tanto que não cabia mais em um único volume e isso me obrigou a quebrar outro paradigma. Em Sagas é comum que a narrativa vá evoluindo ao longo dos volumes que podem ser intermináveis, enquanto o leitor tiver interesse, e as vezes não há interesse justamente porque são vários volumes para contar uma história. A solução foi pensar de outro modo, mais de acordo com a realidade das coisas e em consonância com o modelo que desenvolvi. Se os personagens são importantes em sua história, e são relevantes na história como um todo, mas nenhum é insubstituível, então porque não tornar cada livro independente, fazendo parte de um todo maior que vai se construindo?
            No modelo que construí para a narrativa distópica desenvolvida em Ad Aeternum, o eixo central é a sobrevivência. Sem vilões, heróis, anti-heróis, personagens centrais, mas com tudo isso junto, em histórias que se desenvolvem em livros fechados, com início, meio e fim, mas que compõem e ampliam o universo criado em que existem. São como peças de um quebra-cabeças em que cada uma se basta, mas que quanto mais peças, maior a diversão. Percebi uma coisa interessante nesse modelo, cada livro pode ser feito com um modelo diferente, que pode até ter a jornada do herói e seus maniqueísmos, pode ter a jornada do anti-herói e suas complexidades, pode até ter a jornada do vilão e suas perspectivas, ou pode ter tudo isso junto e misturado em uma narrativa diferenciada, como o volume de abertura que leva o nome simples de SOBREVIVENTES. Onde quero chegar com essa loucura toda? Não sei, não há um objetivo a ser alcançado, mas uma jornada a ser percorrida que pode ajudar aos que trabalham com os modelos clássicos a progredirem e pode ajudar aos que querem romper com esses modelos a ver outras perspectivas, ao mesmo tempo que ofereço aos meus leitores uma forma diferente de narrar essa aventura e encantar, instruir, denunciar, questionar e divertir.
            Antes mesmo de ser lançado esse primeiro volume, desenvolvi três livros dentro do modelo para verificar se funcionava de verdade. Estão prontos e serão ofertados ao público seguindo uma estratégia de vendas diferenciada, porque, como disse lá no início, precisamos inventar um mercado de livros no Brasil, e se é para inovar, vamos fazer bem feito. A evolução é necessária e para que as coisas funcionem, precisamos pensar que cada um dos envolvidos vai ter que contribuir com a sua parte para a coletividade e fazer com que seja conquistado algo que poderá nos dar uma nova chance de continuar tentando fazer melhor, usando tudo o que já sabemos e todas as regras já estabelecidas, mas avançando no desconhecido e inventando novas soluções para um mundo que tem que se recriar constantemente, para se manter vivo e evoluindo. Não há outra opção viável se quisermos continuar a nossa jornada em busca do melhor que podemos obter, sem destruir os caminhos para os heróis, anti-heróis e vilões que merecem ter suas histórias contadas e recontadas até que não sejam mais necessárias.
            Quer saber mais? Continue acompanhando nos meus canais o desenvolvimento desta jornada. Apresentarei oportunamente todos os bastidores da Saga, os modelos utilizados em cada um dos volumes, as técnicas de construção da narrativa e dos personagens e muito mais. Conto com o apoio de todos para que possa realizar essa jornada sem heróis ou vilões, mas com pessoas que vão dar o melhor de si para atingirem um patamar mais elevado de evolução. Deixe suas dúvidas, criticas, sugestões, apoio, nos comentários, todos serão parte desta história que estamos escrevendo juntos. As coisas nunca mais serão as mesmas, e isso faz toda a diferença no sucesso.

Danny Marks

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Aforismos de Criminal Minds 13ª Temporada




13x01 – Wheels Up

Aguente firme. Quando não há mais nada em você, exceto aquela vontade que diz: Aguente Firme!
Rudyard Kipling

13x02 – To a Better Place

Acredito que o único jeito de reabilitar alguém é matando.
Carl Panzram (Serial Killer)

Não é possível ligar os pontos olhando para a frente. Você só consegue liga-los olhando para trás, então tem que esperar que de alguma forma eles conectarão o seu futuro.
Steve Jobs

13x03 – Blue Angel

Crueldade, como qualquer outro vício, não precisa de motivo além de si mesmo. Só precisa de oportunidade.
George Eliot

O homem viaja pelo mundo para buscar o que precisa, e volta para casa para encontrar.
George Moore

13x04 – Killer App

Não é muito prudente ter muita certeza de sua própria sabedoria.
Mahatma Gandhi

O Assassino sobrevive à vítima somente para aprender que era ele mesmo que desejava se livrar.
Thornton Wilder

13x05 – Lucky Strikes

Gosto de virar as coisas do avesso para ver situações de outra perspectiva.
Ursus Werhli

Pessoas gostam de dizer que a batalha é entre bem e mal. A batalha de verdade é entre verdade e mentira.
Don Miguel Ruiz

13x06 – The Bunker

É assim que o mundo acaba, não com um tiro, mas com uma lamúria.
T. S. Elliot

Se soubesse que o mundo se desintegraria amanhã, ainda assim plantaria minha macieira.
Martin Luther.

13x07 – Dust and Bones

Quando há dor, não há palavras. Toda dor é igual.
Toni Morrison

Somos nossa própria dor. Somos nossa própria felicidade, e somos nosso próprio remédio.
Huseyn Rasa

13x08 – Neon Terror

O espetáculo é o capital a um tal grau de acumulação que se torna imagem.
Guy Debord

13x09 –  False Flag

Quando você elimina o impossível, o que sobra por mais improvável que pareça, só pode ser a verdade.
Sir Arthur Conan Doyle

Todos têm direito à sua própria opinião, mas não às suas próprias ações.
Daniel Patrick Moynihan

13x10 – Submerged

Não fale do mal, pois ele desperta a curiosidade no coração dos jovens
Provérbio Lakota

Onde houver ruina, haverá a esperança de um tesouro.
Jalaluddim Rumi

13x11 – Full-Tilt Boogie

Meus segredos obscuros ameaçam a vida. Uma infelicidade que guardo, que cria e cria.
Sue Townsend

Acho que o espirito humano dentro de todos nós é que tem uma capacidade enorme de sobreviver.
Amanda Lindhout

13x12 –  Bad Moon on the Rise

É efeito do desvio da lua; ela aproxima-se agora mais da Terra do que de hábito e deixa os homens loucos.
William Shakespeare

Mesmo aquele de coração puro e diz que ora à noite, pode se tornar um lobo quando a acônito floresce e a lua está cheia e brilhante.
Curt Siodmak

13x13 – Cure

É impossível sofrer sem fazer alguém pagar por isso. Cada lamento já contém vingança.
Friedrich Nietzsche

13x14 – Miasma

Minha ferida é geografia. É também meu ancoradouro, meu porto de escolha.
Pat Conroy

Todos nós, nascidos no caos, temos problemas antes de vir ao mundo.
William Faulkner

13x15 – Annihilator

Brigas em família são coisas amargas. Não são como dores ou feridas, são mais como rachaduras na pele que não querem curar porque não há material suficiente.
F. Scott Fitzgerald

13x16 – Last Gasp

A morte é a mãe da beleza, portanto, ela sozinha, deve vir como satisfação de nossos sonhos e desejos
Wallace Stevens

13x17 – The Capilano’s

Mascaras são um paradoxo maravilhoso. Enquanto podem esconder a realidade física, podem mostrar como uma pessoa quer ser vista.
Joanna Scott

Não cabe a nós amar ou odiar, pois sob nossa vontade prevalece o destino
Christopher Marlowe

13x18 – The Dance of Love

Talvez quando nos encontramos querendo tudo é porque estamos perigosamente perto de não querer nada.
Sylvia Plath

Então vem, vamos juntos os dois, a noite cai e já se estende pelo céu, parece um doente adormecido a éter sobre a mesa
T.S. Eliot

Não importa quão longe viajamos, as memórias seguirão no vagão de bagagem.
August Strindberg

13x19 – Ex Parte

A violência não é um catalizador e sim um desvio.
Joseph Conrad

Não presumas o dia de amanhã, porque não sabes o que ele trará
Provérbios 27:1

13x20 – All You Can Eat

Segurar a raiva é como beber veneno e esperar que a outra pessoa morra.
Anonimo.

Perdão é a fragrância que o galho de violeta deixou no calcanhar que o esmagou.
Mark Twain

13x21 – Mixed Signals

Convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que mentiras.
Friedrich Nietzsche

Esperar é acreditar que só o passado existe, seguir em frente é saber que há um futuro.
Daphne Rose Kingma.

13x22 – Believer

Uma coisa não é necessariamente verdade porque um homem morre por ela.
Oscar Wilde

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...