quinta-feira, 14 de março de 2013

A Morte de Endy Will Sanders (10a Parte) - Danny Marks



Anteriormente:


10a Parte


Nenhum homem escolhe o mal por ser o mal; mas apenas por confundi-lo com felicidade.
Mary Wollstonecraft Shelley


Quando havia decidido deixar a minha carreira de historiador para me tornar um Investigador sabia que estaria deixando o conforto acadêmico para embarcar em uma aventura perigosa e lucrativa e, felizmente, tive ambas as coisas em doses generosas o suficiente para jamais me arrepender de ter feito essa escolha.
Contrariando os anúncios publicitários que convocam os interessados a ingressar na carreira de Investigador, não há grandes conspirações a serem desmascaradas, mulheres sensuais nos esperando em cada espaçoporto ou mesmo grandes fortunas aguardando os resultados engenhosos de nossas investigações. Na maioria das vezes somos contratados para revelar fraudes e espionagem industrial; a maioria das mortes que ocorrem são motivadas por acidentes de transito estelar, brigas em bares de quinta categoria ou em assaltos durante alguma missão em lugares suspeitos. Não há glória em fuçar as vidas alheias em busca de coisas sórdidas, e o contato com o pior dos seres humanos, onde quer que se estabeleçam, acaba por vergar os espíritos mais sonhadores até que meter um projétil de pistola agulha na cabeça em algum quarto de hotel anônimo se torna uma opção aceitável. Os salários são razoáveis, todos estão dispostos a pagar muito para descobrir a sujeira alheia, e muito mais para encobrir a própria.
Mas há aqueles que nascem predestinados para esse serviço, que conseguem atrair encrencas homéricas com a força gravitacional de um buraco negro. Esses, quando sobrevivem por tempo suficiente, conseguem se estabelecer, criar fama e juntar dinheiro suficiente para pensarem em se aposentar algum dia em um recanto tranquilo, esquecido pela civilização. Eu nunca soube de alguém que tivesse realizado esse projeto, e não conheço ninguém com mais habilidade de atrair encrencas do que eu.
Lady Evelyn Einsenhower, a belíssima esposa do falecido Endy Will Sanders, que alegava ter cento e setenta e cinco anos padrão sem jamais ter entrado em crio-êxtase, e que era capaz de se sentar confortavelmente a minha frente enquanto a mantinha sob a mira de uma pistola de agulha, com o dedo fortemente pressionando o gatilho, pronto a matá-la ao menor sinal de ameaça, comprovava a minha teoria de que nesta profissão não há limites para as surpresas que podemos encontrar. A meu ver, o meu medo era perfeitamente justificável, apesar de tudo.
— Por que um homem como você se alia a alguém como Will, Dannel?
— Caso não tenha reparado, estou com a pistola apontada para você, portanto quem faz as perguntas por aqui sou eu. Mas podemos fazer um jogo, eu respondo as suas perguntas se responder as minhas.
— Acho perfeitamente razoável. Mas pode guardar a arma, não pretendo matá-lo, ou já o teria feito. Sabe disso.
— Endy Will Sanders contratou-me porque suspeitava que seria assassinado, e sou o melhor Investigador disponível no momento.
— Will era paranoico e as autoridades locais foram taxativas em declarar que foi um caso de suicídio. Meu marido era um homem doente, Dannel e pessoas assim cometem atos absurdos.
— Então nega que matou o seu marido para ficar com a Enterprises e ter de volta a sua liberdade?
Evelyn colocou o copo no suporte e passou a mexer distraidamente na fina corrente que adornava o seu pescoço antes de responder. O seu olhar era distante e triste, como se as lembranças que lhe vinham à mente a perturbassem desde muito tempo.
— O que você sabe sobre sobre Demétrio II, Dannel? Sabe por exemplo que ele era um tirano irracional? Que se divertia com jogos sádicos que mantinha com suas concubinas? Minha mãe biológica morreu em um desses jogos quando eu ainda tinha doze anos e ela poucos anos a mais que isso. Então ele decidiu que eu deveria me preparar para ocupar verdadeiramente o lugar que havia me destinado. Um homem como aquele não consegue amar nada além de si mesmo. Obrigava-me a assistir os seus jogos sádicos e suas orgias para que aprendesse a ser como ele, compreende?
Eu fiquei calado, embora o meu estômago desse voltas e mais voltas, precisava me manter sob controle a qualquer custo. Havia escutado muitas histórias sobre Demétrio II, mas sempre achei que havia exagero nelas, agora acreditava que haviam sido generosas demais.
— Meu tio era o único que ainda conseguia me manter longe das taras de Demétrio, mas sabíamos que seria uma questão de tempo até que ele resolvesse me inserir pessoalmente nos seus jogos sexuais. Eu era o mais próximo que ele poderia chegar de fazer amor consigo mesmo. Foi quando Will apareceu. Ele ouvira falar de Luiz, de suas pesquisas genéticas, e se interessou pessoalmente pelo trabalho. Eu vi a minha chance de fugir dali e seduzi Will. Havia aprendido o suficiente para isso e o meu desespero era maior do que qualquer outra coisa. Se não desse certo, iria me suicidar naquela mesma noite.
— Então Endy casou-se com você.
— Do jeito que você fala faz as coisas parecerem simples, mas sim, Will casou-se comigo e logo a seguir entrou em crio-êxtase, até que tivesse idade suficiente para ocupar o leito nupcial.
— E por que o seu tio Luiz não aproveitou a oportunidade para fugir com você? Poderiam desaparecer de forma que jamais os encontrassem.
Claro que nem mesmo eu acreditava no que acabara de dizer. Endy jamais aceitaria uma traição dessas. Ela sorriu balançando a cabeça negativamente.
— Às vezes você consegue ser bastante tolo. Foi justamente o meu tio quem entrou em contato com Will e lhe ofereceu algo irresistível. A possibilidade da imortalidade. Eu era a prova viva. Luiz amava Will até mais do que o próprio irmão. Sabia que era a única opção que tinha para levar adiante a sua pesquisa e concluir o trabalho de sua vida. Nada mais importava, nem mesmo eu.
Lembrei-me de Luiz Henrique III chorando no funeral de Endy Will Sanders enquanto assistia a sua melhor aposta ser desintegrada atomicamente.
— Mas ele ainda tinha você. Como esposa de Endy assumiria o controle da Enterprises automaticamente e seria muito mais fácil conseguir os recursos que precisava. Sua história não é convincente.
Um odor pungente encheu o ar e as coisas começaram a fazer sentido na minha mente. Deixei cair a pistola no chão, não conseguiria matar alguém tão maravilhoso como aquela mulher. Meu controle mental fraquejava rapidamente, tentei avançar sobre ela, mas acabei estatelado no chão, meu corpo se recusava a seguir os meus pensamentos.
— Will me salvou de uma prisão, Dannel e durante algum tempo fui muito grata por isso. Mas como falei, era um homem doente e isso implica em coisas muito desagradáveis, acredite. Suportei o quanto pude, mas aos poucos as grades invisíveis que me cercavam começaram a me sufocar. Além disso, havia as experiências do meu tio. Consegue imaginar a quantas formas dolorosas de coleta de material a que fui submetida na busca do segredo da imortalidade? Consegue imaginar o que é ser uma cobaia da pessoa que considerava como um pai? Eu fora traída no meu amor de todas as formas possíveis e imagináveis, e chega um momento em que não conseguimos mais inventar desculpas, não podia permitir que isso continuasse acontecendo.
Eu lutava contra o controle hipnótico do perfume dela, precisava apenas...
— Sente-se, Dannel. Já vi pessoas rastejando demais na minha longa vida. Apenas sente-se e ouça, não quero lhe fazer mal, acredite.
Seu comando me libertou da luta interna. Levantei-me e sentei novamente, não havia mais nada a fazer no momento. Ela estava definitivamente no controle da situação, mas ao menos poderia descobrir o que realmente acontecera com Endy Will Sanders, antes de morrer.


Próximos Capítulos: 

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...