terça-feira, 20 de março de 2012

Ao Outro - Anna Amorim

Quando sua palavra era um bofetão, eu nem andava
Quando andei,  foi pelas ruas feito doida, sem chegar
Quando cheguei, pensei ser tarde
Sempre é tarde, há uma corrida contra o tempo
E o tempo vence qualquer sonho
Mas será isso verdade? 
Eu que passei anos, trancada à porta e o refúgio era um espanto,
Danei a andar...
Disseram-me que a verdade não existe, e logo eu, que andava rastreando. Fiquei confusa
Verdade existe,  só não A verdade
Tudo num simples artigo indefinido
Formo outra e o movimento que é o contrário da paralisia, também paralisa.
Se está na voz do outro,
que de mim sabe quireras, consome parcelas
Perco contornos, desfaço adornos, quebro espelhos e espelhos
Onde estás?
Dentro de mim parte algo
Se também sou palavra, também sou Outro. 
  
Anna Amorim, 1997 

Para ler mais:  http://palavrademulher-annaamorim.blogspot.com.br/

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...